1. Minha cunhada Lenita o domingo


    Encontro: 30/12/2016, Categorias: Incesto, Autor: wellington69, Fonte: ContoErotico

    O domingo amanheceu mais feliz, todo mundo na maior felicidade, modéstia à parte, por minha causa. Lenita minha cunhada, mulher de meu irmão, eu havia fodido à tarde, meu cunhado marido de minha irmã Maria, a crente puta, eu havia chupado ele antes de ir dormir, meu sobrinho Bruno, filho de Lenita, me comeu na madrugada e minha irmã Maria comi seu cu na mesma madrugada na cozinha. E o domingo prometia e como prometia. Todos prontos pra irem à igreja, Maria e sua bíblia com suas 2 filhas, minha cunhada Lenita em um vestido mais comportado realçando sua beleza, lá se foram, ficando os três patetas, eu, Gilson e Bruno em casa, resolvemos dar uma volta na cidade até o almoço, saímos no carro de Gilson rodando a cidade sem rumo jogando conversa sem nexo nenhum os três querendo falar da noite anterior sem poder se entregar,resolvemos parar para beber umas cervejas no bar de Regi, um caboclo ignorante mas que tem uma esposa chamada Cíntia que é uma delícia, baixinha, rabuda, com uma anca de dar gosto, uns peitinhos pequeninos e um andar de pata com os pés pra dentro rebolativa e bicuda, boca de chupa pica toda gostosa mesmo, e é o que atraí os clientes na maioria homens,encontramos uns amigos e ficamos bebendo, apresentamos nosso sobrinho Bruno e tal, no bar não tem sanitário, apenas um mijador sem agua pra jogar e Bruno sentiu uma vontade louca de defecar e me falou, eu disse a ele que teríamos de ir na oficina de Gilson pois ali não tinha onde cagar, pedi a chave da oficina a ...
    Gilson e ele falou que havia deixado em casa, falei: então levo ele pra casa no teu carro e volto já. No que Dona Cintia ouviu e disse: por isso não, estou indo pra casa e o menino pode fazer lá sem problemas, como ela mora em cima do Bar pedimos a Regi permissão e ela falou que não precisava era caso de necessidade e Bruno ia com ela arrastando o moleque pelo braço subiu a escada. Continuamos bebendo e papeando, isso se passou quase meia hora e nada de Bruno, discretamente liguei no celular dele pra saber qual foi? Bruno me disse que já desceria e quando ele chegasse era pra ir embora pois a caganeira apertou e desceu suado com as mãos nas cadeiras falando que estava com cólicas e precisava ir a uma farmácia, pagamos a conta e fomos apressados e preocupados também compramos um remédio para cólicas e seguimos pra casa, em casa ele tomou uma pílula e foi pro quarto eu acompanhei ele pra ver se precisava de mais alguma coisa. Qual foi minha surpresa é que o moleque não tinha porra nenhuma era tudo armação, desde que ele chegou no bar de Regi que a puta da D. Cintia botou os olhos no moleque começou a encarar e dar sinal e quando ele foi no balcão pedir uma cerveja ela passou um bilhete pra ele passar mal que o resto ela resolvia, ou seja ela armou pra dar corno em Regi na boa, sabia que ele não largaria o balcão pra ir atrás de um menino e foi dar a boceta a Bruno. Bruno disse que mal entrou na casa a mulher passou a chave na porta e disse agora é nós gostoso e foi tirando os ...
«1234»