1. Eu, minha mulher e meus filhos (2)


    Encontro: 26/12/2016, Categorias: Incesto, Autor: gostosaooo_, Fonte: ContoEroticoComBr

    Escritos por: adscps Leia, antes, o conto 14630 (inicio). Eu cavalgava o pau do Artur, como disse no final do conto 14630, e o prazer que sentia, e também proporcionava a ele, era maravilhoso e tive que tapar minha boca pra não gritar de tanto gozo mas o meu menino, atraz de mim, apertando os meus peitos, suspirava de tesão e me dizia, bem baixinho, no ouvido que eu tinha a buceta mais gostosa do mundo. Isso triplicou o meu tesão pois se não bastasse a sensação de ter dentro de mim a enorme pica do Artur, saber que meu proprio filho estava se deliciando comendo a minha buceta me dava uma sensação de prazer absoluto. Foi uma tremenda sorte de nós dois não ter aparecido ninguem, mais, no mesanino do cinema, pois se assim fosse nos teria pego na maior transa pois a gente se esqueceu de tudo mais e nos entregamos ao prazer que aquela relação, incestuosa, nos estava proporcionando. Aquela pica é deliciosa pela sua rigidez, tamanho e por sua grossura me dava uma sensação de total preenchimento o que me deixava ainda com mais vontade de continuar me entregando ao meu filho. Quando êle não resistiu mais e começou a gozar adoidado eu parei de cavalgá-lo e, com o pau enfiado até o fim, sentí seus jatos quentes de gozo inundando o meu útero e com apertos, tremendos, de toda a musculatura de minha buceta, eu suguei todo o seu gozo e ficamos parados por uns minutos e eu me levantei, calmamente, com todo cuidado pra não manchar a calça do Artur e ageitei a minha calcinha, fechei o ziper ...
    para o meu filho e me sentei pra recuperar as minhas forças. Artur estava com os olhos parados, fixos no infinito, semblante calmo, cara de felicidade e para chamá-lo, de novo, a realidade, eu passei minha mão sôbre a sua coxa e fiquei alizando calmamente e, pasmem, notei que êle estava, ainda, com o pau duro e fazendo aquele volume enorme dentro da roupa. Não resisti e apalpei sua pica, de novo, e êle, prontamente, botou o pau pra fora e eu ví, com enorme tesão, que ainda não estava satisfeita e queria ser penetrada novamente pelo Artur. Êle falou baixinho que queria mais e me enlouqueceu, de novo, o furor uterino e eu mandei êle guardar a pica, segurei na mão dêle e chamei pra sairmos do cinema e logo que entramos no carro e eu sai do estacionamente êle botou a mão, todinha, sôbre a minha buceta enquanto eu dirigia e me tirava quase toda a concentração pra levar o carro. Eu procurei abrir as bernas e senti sua mão afastar a calcinha para um lado e começar a me bolinar com todo carinho me fazendo quase morrer de prazer e sem resistir eu parei, derrepente, o carro e tirei totalmente a calcinha e nos mudando pro banco de traz começamos ai, a tirar toda a roupa e me deitando de costas abri bem as pernas e dobrei-as (como um frango assado) e meu filho me montou e enfiou, logo, a pica na minha buceta e foi até o fundo, com força e prazer. Eu só sentia prazer e dava prazer, nada mais me importava naquele momento e, por muito tempo, fui fodida como nunca havia sido por meu marido. ...
«1234»