1. Armário de Corno 1/3


    Encontro: 21/12/2017, Categorias: Traição / Corno, Autor: faunorj, Fonte: ContoErotico

    quase sorriso, cedeu uma introdução: "Essa passagem é sobre dois alunos de um internato estudando literatura juntos. Posso?"Dei de ombros e caí de volta no divã. Marco pigarreou e começou, voz grave e entonação de narrador de audiobook:"Sanches inventou uma análise dos Lusíadas, livro de exame, cuja dificuldade não cessava de encarecer."Guiou-me ao canto nono, como a uma rua suspeita. Eu gozava criminosamente o sobressalto dos inesperados. Mentor levou-me por diante das estrofes, rasgando, na face nobre do poema, perspectivas de bordel a fumegar alfazema. Bárbaro! Havia um trajo de modéstia sobre a verdade do vocábulo; ele rasgava as túnicas de alto a baixo, grosseiramente. Fazia do meneio grácil de cada verso uma brutalidade ofensiva. Eu acompanhava-o sem remorso; reputava-me vagamente vítima, e me dava à crueldade, submisso, adormecido na vantagem da passividade. A análise aguilhoava as rimas; as rimas passavam, deixando a lembrança de um requebro imprudente. E o ar severo do Sanches ...
    imperturbável."Fechou o livro e virou a capa para mim. O Ateneu, de Raul Pompéia."Linhas com trajos de modéstia podem ser mais excitantes que linhas nuas, sabia?"Se não sabia, aquela torrente de palavras sugestivas acabara de me ensinar. E que pretexto inocente, o estudo de um clássico! Ah, eu entendia! Na verdade, o estranho era ainda não ter pedido o livro emprestado para... pesquisa de estilo e tal."Está mesmo na minha hora. Valeu pela ajuda."Minha mão estava estendida, mas seu sorriso me dizia que ainda não tínhamos terminado. Tomei a recusa por grosseria e saí de súbito, como quem foge. Enfim livre, recostei-me na parede espelhada do fundo do elevador e fechei os olhos. Ficar sozinho com ele era uma provação.A primeira coisa que fiz em casa foi entrar no chuveiro. Durante um minuto ou menos, fantasiei que Marco me rasgava as roupas como Sanches fizera aos versos, e depois de tudo caí de joelhos sob a água quente, vencido como o narrador do livro, querendo poder lavar acima de tudo a alma.
«123»