1. Surpresas da Vida (A Viagem 2/Continuação.) 26 de Abril 2016


    Encontro: 21/12/2017, Categorias: Com Fotos, Gays / Homossexual, Autor: Adriano M., Fonte: ContoEroticoComBr

    [Após uma longa e tediosa viagem a fazenda de seus familiares, peixinho e seus pais foram calorosamente recebidos por seus avós e empregados, após a recepção, curioso, JP evadiu-se da casa-sede da fazenda da família para explorar a propriedade, e descobriu que não é só na cidade onde o perigo se esconde]. JP desfalecido foi surpreendido por Josias, sendo penetrado violentamente pelo jovem peão, indicando que a sacanagem não tinha acabado ela só estava a começar. -Por favor Josias, eu não agüento mais, disse um choroso José Pedro ao peão,que já metia freneticamente no dolorido rabo do nadador… – Deixe de manha viadinho! Para quem conseguiu levar a do meu irmão no caneco, até parece que o meu é lá essas coisas… Sozinho e sem chance de escapar, JP estava nas mãos de Josias sendo sujeitado as suas taras. Na fazenda tudo corria bem, a hora do almoço se aproximava e após o lanche da manhã todos estavam na sala de estar conversando animadamente. Preocupada com a ausência do filho, D. Luciana perguntou a Enedina pelo paradeiro do filho, que pensava estar descansando no quarto. – Ah não D. Lucy, o JP foi conhecer a fazenda, foi ver os cavalos, não se preocupe, sempre tem gente lá cuidando dos animais. -Só espero que ele não se atrase para almoçar. -D. Lucy, JP antes de sair disse que não iria almoçar, pois estava cheio, disse-lhe. Ouvindo isso Seu José Pedro inconformado falou: – De modo algum! Quem JP acha que é para fazer uma desfeita dessas?! – Deixe o menino José Pedro, será bom ...
    deixá-lo conhecer a fazenda. – Desculpe meu sogro, mas discordo, JP terá tempo suficiente para andar pela propriedade, Em meio à conversa, ouve-se uma voz masculina a porta da casa, – Seu Alcântara! Ô De casa! Ao ouvir a voz, D. Enedina correu a porta, era seu filho Arthur, que acabara de chegar em sua moto e que assim como JP,também entrara de férias. Apesar de viver no interior, Arthur teve seus estudos custeados pelos Avós de José Pedro, que eram seus “padrinhos” e sempre o trataram como a um segundo neto,tanto que ele estudava em um colégio da mesma rede de JP,as más línguas como não poderiam deixar de acontecer, diziam que ele era filho bastardo do velho Alcântara , como ele era conhecido na região. Arthur tinha uma bela fisionomia, pele parda e belos olhos verdes, esta uma herança genética de seu pai, um corpo atlético devido aos trabalhos braçais que exercia na propriedade, mesmo não sendo empregado da fazenda, mas era uma atividade boa para manter o corpo, apesar de haver academia na região e caso pedisse a Seu Alcântara, com certeza o mesmo o poria em uma, mas Arthur já era grato por sua educação e jamais pensaria em abusar. Após um grande abraço em sua mãe que a muito não via, foi cumprimentar a todos os presentes, Arthur foi apresentado a Luciana e seu esposo. -Há quanto tempo meu rapaz! Está uma marra de homem, também, faz uns três anos que não o vemos… -Nem parece aquele garoto magrelo de antes, andou tomando fermento, perguntou Luciana. -Obrigado Seu José e D. ...
«1234...7»