1. A história de Betinha - 2: o presente


    Encontro: 15/12/2017, Categorias: crossdresser, crossdressing, Cdzinha, CD, Feminilização, Fantasias, Fetiches, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Paula Cedezin, Fonte: CasadosContos

    - Oiê! - Oi, Mô! Cheguei na casa dela já eram umas 19 horas. Sexta-feira sempre acabo saindo mais tarde um pouco, parece que surge coisa para fazer na última hora. Mas enfim, sempre chega a esperada hora do fim de semana! Ela veio e me deu um beijo. Perguntei: - Vamos sair para comer alguma coisa? - Vamos! Abriu uma temakeria aqui perto, vamos lá ver? Fomos. Era um lugar transadinho, mas os temakis mesmo não eram grande coisa. Parece que hoje muito empreendedor se preocupa mais com o visual do negócio que com o produto mesmo, uma pena. Voltamos para a casa dela quase 10h. Chegando lá, ela abriu maior sorriso e falou: - Chegou a hora do seu presente! Pensou que eu tinha esquecido? - Oba! O que é? Perguntei só pra brincar, eu já estava certo que seria uma boa trepada. - Você tem que tomar banho primeiro, e vir aqui pelado pra ganhar seu presente! Fomls tomar banho juntos. Era uma coisa que gostávamos de fazer. Um ensaboa o outro e a coisa já vai aquecendo daí, né? Tirei a roupa dela e ela a minha, até ficarmos os dois só de calcinha. Ela adorou me ver de novo com a roupinha dela. Entramos assim no banho, ainda com as calcinhas. Ensaboamos um ao outro por cima da roupa, e depois por baixo dela, o que já foi muito excitante! Ao sair do banho ela vestiu uma camisolinha e uma calcinha de rendinha super sexy, e me pediu para sentar na borda da cama, ainda pelado. Aí me entregou uma caixa, do tamanho de uma caixa de camisa social. Toda rosa, e fechada com um laço de fita preso à ...
    caixa por um adesivo em forma de coração. Abri a caixa e tive uma surpresa. Dentro havia uma camisola e três calcinhas. A camisola era linda, rosa, com o bojo dos seios todo bordado, e o tecido, super fino e delicado, todo plissado. As calcinhas eram todas da mesma cor da camisola, certamente faziam parte da mesma coleção, mas eram diferentes umas das outras. Tinha uma maiorzinha, tipo boneca, toda de lycra na bundinha e renda na frente. Outra era uma tanguinha tipo asa delta, com rendas na frente e dois lacinhos de fita. E a terceira era bem pequena, fio dental, com a parte da frente mais larguinha. Também toda decorada com renda por sobre a lycra. Fiquei sem saber como reagir. As roupas eram lindas, devia ter custado caro! E obviamente tinham sido escolhidas a dedo. Olhei uma por uma, sentindo os tecidos macios, vendo os detalhes. E ela só me olhando. Com as roupas no colo e segurando a camisolinha pelas alças falei: - Que roupinhas lindas, Déia! Você vai ficar maravilhosa com elas! - Eu? Não mesmo, seu fofo. Essas roupinhas todas são para você! - Mas são roupas de mulher, Déia! Ela montou no meu colo, ficando com os seios fartos bem no meu rosto. Que deliciosos eram eles! E estavam lindos na camisola bordada que ela vestia. Me deu um beijinho mordiscando meu lábio, e falou: - E aquela calcinha linda que você estava usando hoje era roupa de homem, Mô? Eu só pude rir. Me pegou, né? Mas ainda falei: - Mas Déia, são roupas tão femininas! Eu sou homem! - Fofo, deixa de ser ...
«123»