1. Apenas Um Ano - III


    Encontro: 11/12/2017, Categorias: Humilhação, Beijo, perfume, Garoto, Teen, castigo, Fazenda, Rico, novo conto, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Omar Junqueira, Fonte: CasadosContos

    - O quê? - seu olhar era de surpresa, ele ficou calado por alguns segundos - Você disse " E agora você", o que tem eu Omar? - perguntou. - É que eu acho que eu estou gostando de você - merda! Não acredito que admiti, isso não pode estar acontecendo. Ele ficou calado por um bom tempo, eu já estava ficando louco pra saber o que ele ia dizer depois de alguns segundos que pareceram séculos eu resolvo sair dali, andei o mais rápido que pude e dessa vez ele não conseguiu me deter, cheguei em meu quarto e tranquei a porta, fiquei andando de um lado para o outro imaginando o que iria acontecer, eu estava me odiando por ter demonstrado tamanha fraqueza diante dele. Me deitei na cama e logo em seguida adormeci, acordei uma hora depois com batidas em minha porta, prontamente me levantei e fui ver quem era. Era ele, Felipe, eu gelei, fiquei estático diante dele, ele parecia calmo. - Posso entrar? - perguntou tirando-me de meus pensamentos. - Você sabe que horas são? - perguntei demonstrando que eu não queria conversar. - Eu sei, mas não ia conseguir dormir antes de vir falar com você - balbuciou. - Pode falar - falei dando um passo pra trás para que ele entrasse. Ele sentou-se na cama e eu fiquei em pé na sua frente ele me olhava nos olhos, isso estava me deixando desconfortável. - É que eu pensei no que você disse e... - ele fez uma grande pausa como se procurasse as palavras certas - Quer saber? Foda-se - falou demonstrando impaciência e ao mesmo tempo levantou-se e me beijou me ...
    pegando desprevenido. Eu não correspondi no começo mais aos poucos eu fui sedendo aquele beijo, era incrível, sua boca era macia e quente, nossas línguas exploravam a boca um do outro com cautela, as mesmo tempo que ele me beijava me apertava contra seu corpo, seus braços fortes me impediam de recuar me mantendo naquele abraço masculo que só ele sabia dar. Ele mordia meu lábio inferior me fazendo arrepiar, sua boca carnuda não desgrudava da minha era como se estivessem coladas, fomos nos separando aos poucos à medida que o nosso fôlego ficava escasso, ficamos por alguns segundos olhando um para o outro ofegantes e extasiados. - O que foi isso? - perguntei - Foi a minha resposta - falou saindo pela porta, me deixando ali, sozinho e sem saber o que fazer. Novamente deite-me na cama e voltei a dormir, sentindo o cheiro de seu perfume que havia ficado impregnado em minhas roupas. ... Acordei no dia seguinte com Luís me chamando. - Omar está na hora de acordar - falou quase gritando e abrindo a pequena janela que estava fechada. - Que horas são? - perguntei com os olhos serrados por causa da claridade que invadia o quanto. - São 06h00 - falou olhando no seu relógio de pulso. - E porque você veio me acordar a essa hora da madrugada? - falei deitando-me novamente na cama e me cobrindo dos pés a cabeça. - Deixa de frescura e levanta logo - falou retirando bruscamente o cobertor de cima de mim - Faço sua higiene e tome o seu café, estarei te esperando no estábulo para te mostrar os seus ...
«123»