1. Perdi o Cabaço do meu Cu com um Cão (Conto Zoo Gay com ótimo Vídeo)


    Encontro: 03/12/2017, Categorias: Zoo Anal Gays / Homossexual Cão Capataz Flagra Fazenda, Zoofilia, Autor: WT Careca da Silva (Secret Island), Fonte: CasadosContos

    Eu tinha 19 anos, quando fui visitar meu avô em seu sitio. O lugar era distante e isolado, cercado de morros e muito mato. Meu avô, já estava bem doente e quem cuidava do sítio era seu caseiro, Juvenal um negro 50tão muito simpático que morava num casebre nos fundos do sítio. . Eu tinha ido sozinho e minha mãe só iria me buscar no domingo. Já na quarta feira eu estava entediado por não ter com quem me divertir. Minha única distração era o Herói,um enorme cão fila do caseiro. Apesar do tamanho, Herói era dócil e me acompanhava por onde eu ia. Foi no fim de tarde da quarta feira, que voltando de um passeio pelo bananal, me deu vontade de defecar e como está longe de casa fui me aliviar atrás de umas pedras. . Assim q me agachei senti, algo quente e úmido tocar minha bunda. Assustado me virei e vi que era o cão tentando me lamber . Tentei afastá-lo mas ele insistia, quase me derrubando. Logo senti sua enorme língua áspera no meu cu. O animal parecia nervoso, excitado. Sentindo um estranho prazer, levantei um pouco a bunda pra facilitar e logo fiquei de pau duro com aquele linguão paletando na entrada da minha rosca. . A vontade de evacuar logo se foi, e por alguns segundos fiquei ali curtindo as linguadas. Ia me masturbando, até que o cachorro, começou a dar voltas arfando e abanando o rabo e por duas vezes tentou montar nas minhas costas. Então me levantei e vi uns cinco centímetros da ponta vermelha de seu pau. Achei estranha a atitude do cachorro. Parecia querer me usar ...
    como cadela. Só em pensar, meu cu começou a piscar, afinal desde novinho já havia descoberto que meu cuzinho era minha maior fonte de prazer, pois já tinha dado algumas vezes pro Alex, um colega vizinho mas velho. . Ao me ver em pé, Herói sentou e começou lamber sua pica. Era bem maior do que eu pensava. Sentei numa pedra a seu lado e comecei a punhetá-lo. Estava babado, quente, gostoso. Meu tesão aumentou, senti uma louca vontade de sentir aquilo no meu cuzinho. Desci o short e fiquei de quatro. Herói parecia saber o que eu queria. Me rodeou, cheirou meu cu, lambeu e montou as duas enormes patas em minhas costas. . Meu coração batia acelerado sentindo a ponta fina e dura da pica, catucando com força na minha bunda. Desceu, me lambeu de novo. Parecia se certificar onde era o buraco. Montou novamente, agora acertando meu rego. Empinei mais a bunda, e desta vez ele acertou a rosquinha. A ponta fina entrou com força, provocando dor. Gritei assustado, mas Herói ao sentir o pau agasalhado, se curvou socando rápido. O pau entrou parecendo rasgar meu cu. . Com muito custo consegui me virar e me livrar da pica, que toda exposta não parava de espirrar porra (um líquido branco e incolor). Tinha uns vinte centímetros de pica que engrossava progressivamente, e por fim ainda tinha o nó, com o diâmetro de uma bola de tênis. Estava toda lambuzada de merda, já q meu cu estava cheio. . Lavei o pau dele no córrego e voltei pra casa com as costas lanhadas pelas unhas do animal e o cu ardendo, mas ...
«123»