1. Bruna


    Encontro: 30/11/2017, Categorias: Travestis, Autor: Xiquim, Fonte: ContoEroticoComBr

    BRUNA Autor: Xiquim Sexta feira de manhã. Um calor do cacete, em BH. Estava em casa, estudando Física e fazendo o ‘dever de casa’, para entregar na segunda – 15 problemas do capítulo 5 do Halliday. ‘Engasguei’ no 9. ‘Caraca’, pensei, ‘vou ter de ficar o fim de semana todo em casa, para resolver esta merda!’ Resolvi ligar para o Sérgio, um colega com quem estudava junto há tempos. “Alô?” E disse o número do telefone. Uma voz de mulher atendeu. E que VOZ! Sensual e grave, do jeito que me dá um tremendo tesão. Pensei: ‘fodeu! O cara está com uma gata – e eu ligando para falar de Física… Foda-se! Agora, já foi…’ “Posso falar com o Sérgio?” “Quem quer falar?” “Diga pra ele que é o Xiquim”. “Só um momento”. “Sérgio”. “Ô, bicho (anos 70, Pasquim…), desculpe aí, se eu avacalhei…” “Nada a ver não, cara! Quem atendeu foi a Bruna, uma prima lá de… Ela resolveu se mudar para BH e, enquanto não consegue um apartamento, ela vai se encostando aqui. Afinal, pagar hotel é brabo!” “Prima, né? Então tá. Bicho, Halliday, capítulo 5. Engasguei no 9…” “Esse me pegou também, meu! Vem pra cá”. “Já tô chegando…” Peguei o busão e me mandei para o Centro. Chegando ao seu ap., toquei a campainha. Quando a porta se abriu, quase caí de costas! ‘Puta merda! Esqueceram a porta do Céu aberta!’ Uma morena clara, cabelos pretos, compridos e soltos, um rosto maravilhoso, abriu a porta. Vestia uma camisa larga, com dois botões abertos em cima e um shortinho (shortINHO MESMO!) e descalça. “Bom dia. Cadê o ...
    Sérgio?” “Bom dia. Você é o Xiquim? Oi, eu sou a Bruna. Prazer”. E me estendeu a mão… A vontade que eu tinha era de NUNCA MAIS largar aquela mão… “O prazer é meu, Bruna. Cadê o cara?” “Ele deu uma saída, mas já deve estar chegando. Ele disse que é para você entrar e ficar à vontade”. Eu queria mesmo ‘entrar’ e ficar BEM À VONTADE… Entrei e me sentei no sofá. A Bruna ficou por ali, arrumando alguma coisa e mexendo, pra lá e pra cá… Quando ela se mexia ‘pra cá’ e se abaixava um pouco, eu via o shortinho de cima pra baixo – e que seios! Quando ela se mexia ‘pra lá’ e se abaixava um pouco, a vontade que me dava era de ir até ela e dar uma mordida naquela bunda maravilhosa! De repente, eu sinto algo se mover ao sul do meu Equador! ‘Vai dar bandeira’, pensei. Limpei a garganta e falei, com uma voz quase esganiçada: “Bruna, posso ir ao banheiro?” “Claro! Você sabe onde é?” “Sei”. Como todo ‘bom sacana’, a porta do banheiro não tinha chave. Era só no trinco. Dei uma mijadinha e fiquei lavando a mão – e molhando os pulsos, para ver se descia o mastro… Estava quase conseguindo meu intento quando a porta se abriu e a Bruna pôs a cabeça para dentro do banheiro. “Xiquim? Aconteceu alguma coisa? Você estava demorando e…” E ela viu… E entrou no banheiro e pegou. E gemeu: “Hmmm… Que delícia! Isto é por minha causa?” Com aquele jeitinho bem sacana. E eu, sem jeito: “É… Desculpe, tá?” “Por quê? Eu prefiro considerar isto um elogio”. E aí, não deu pra aguentar: desabotoei sua camisa (quase arrancando ...
«1234...»