1. A senhora do ônibus


    Encontro: 12/10/2017, Categorias: Heterossexual, Autor: psyx1, Fonte: ContoEroticoComBr

    Moro em fortaleza, e aqui, como em toda grande metrópole, o transporte coletivo urbano tem seus horários de pico. E foi justamente num desses dias, em início de noite, que vivi uma aventura sensacional e inesperada. Sou um homem maduro, tenho um físico que chama um pouco a atenção das mulheres, e nessa noite o inesperado aconteceu. Eu havia me sentado num dos bancos da frente do ônibus quando, após uns dez minutos de trajeto, subiu uma senhora de seus cinquenta e poucos anos com duas sacolas. Compre produtos eróticos sem sair de casa – EróticaGyn Sex Shop – Goiânia-GO Eu imediatamente cedi meu lugar para que a mesma pudesse se sentar. Ela agradeceu e com um sorriso nos lábios me pediu para levar minha mochila. O ônibus continuou seu trajeto e cada vez mais recebendo passageiros, o que fazia com que o espaço ficasse bastante reduzido dentro do mesmo. Em dado momento uma moça puxou a campainha para descer no ponto seguinte e, com a lotação, ao passar pelas minhas costas, me deu um encontrão de leve, fazendo assim que eu, sem querer, encostasse meu pau no braço daquela senhora. Ela fingiu não sentir nada, e tudo estava normal, até que senti numa curva o braço dela encostar em meu pau e ali ficar pressionando um pouco, o que me deixou muito excitado. Afastei-me um pouco para não criar mal estar, mas senti que ela agora pressionava com mais força, o que me fez relaxar e curtir aquilo. Em mais ou menos meia hora de trajeto, a senhora me entregou a minha mochila e pediu para eu ... puxar a campainha pois ela iria descer. Me olhou com um olhar maroto que interpretei como um convite, e desci junto com ela. Ela me perguntou se eu morava ali perto, e eu falei que minha descida seria uns cinco pontos depois, mas que havia descido ali para ajudá-la a levar as duas sacolas pesadas. Ela sorriu e agradeceu e disse que morava logo na casa da esquina. Eu perguntei se seu marido não iria achar estranho eu a ajudando e ela me falou sorrindo que não tinha marido e que moravam apenas ela e uma secretária, que era a sua amiga de verdade. Entramos por um portão lateral e já saímos na cozinha de sua casa, e quando estávamos tirando as coisas das sacolas chegou uma mulher de uns trinta anos, muito bonita, morena clara, seios fartos e livres de soutien, numa blusa amarela decotada e com uma saia comprida estilo cigana, mas que dava para notar seu lindo rabo, largo e empinado. Fomos apresentados e seu nome era Fátima, enquanto que o nome de sua amiga/patroa era Nádia. A patroa, apesar de bem mais velha, também era muito atraente, e vinha no ônibus de calça jeans e blusa branca, onde notei ter um bumbum grande e seios medianos. Após guardarem as coisas na geladeira elas me convidaram para tomar um suco, e aceitei já meio sem jeito, pois eu achava que daquele mato não sairia coelho. Ficamos no sofá da sala conversando, e em pouco tempo a Nádia falou que iria tomar um banho, pois aquele ônibus cheio a deixou suada. Ficamos na sala eu e a Fátima sem muito assunto, até que a Nádia ...
«123»