1. A história impossível de nós dois. (Capítulo 18-Parte 1)


    Encontro: 11/10/2017, Categorias: dificuldades, avó, Passeio, Romance Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Pudim, Fonte: CasadosContos

    Continuando... Tentei pensar no que fazer com o Deca por perto,mais não conseguia chegar a nennhuma idéia.Por fim decidi desistir e tirando a roupa devagar,fiquei apenas de cueca.Me sentei no colchão e retirei o tênis,me deitando logo em seguida.Não era a dormida mais confortável do mundo,pois podia sentir o chão.Mais era melhor que ter apenas um lençol fino para dormir,como era antes,então não podia reclamar.Me enrolei com o lençol que tinha ali,e não demorou muito até que adormecesse em um sono profundo e sem sonhos. Senti uma pontada profunda nas minhas costelas,e abri os olhos,piscando várias vezes até conseguir mante-los abertos.Me sentei e passei a mão pelos cabelos,dando de cara com a minha mãe que me olhava nervosa. -Até que enfim acordou seu miserável.Agora pega suas coisas e sai!-Ela disse com as mãos na cintura. -O que?-Perguntei surpreso. -Vou precisar da casa só pra mim e uns amigo aí,e tu têm que vazar agora.-Ela respondeu rapidamente. -E eu vou pra onde?-Perguntei enquanto a observava. -Não me interessa,vagabundo.Se vira!-Ela respondeu sem paciência. Levantei,ainda bastante sonolento;e peguei minhas roupas.Me vesti apressado e fui em direção ao banheiro,onde fiz minha higiene.Voltei a casa e minha mãe me levou até o lado de fora,onde jogou o tênis em cima de mim. -Só aparece aqui a noite,verme!-Ela disse com desprezo. -Então larga um trocado aí,se tu não quiser que eu volte antes.-Disse irritado. Minha mãe meteu a mão no bolso e jogou uma nota de vinte ... reais,batendo a porta com força na minha cara,logo em seguida.Apanhei os tênis,tentando decidir para onde iria,já que os únicos amigos que tinha,estavam presos. Após um longo tempo,decidi que iria visitar a minha avó e ver como ela estava,então desci a rua até o ponto,e peguei a van que estava de partirda.Coloquei o tênis e depois de cinquenta minutos,cheguei a rua onde ela morava. Como eu só havia estado ali umas poucas vezes,não sabia bem qual era a casa,então tive que perguntar e me indicaram uma de portão azul.Caminhei até lá,e bati palmas várias vezes.Um homem gordo,baixo e com cabelos cortados em estilo militar,saiu da casa e me encarou,sua expressão se tornando de fúria. -O que você faz aqui,Lúcio?-Ele perguntou,cruzando os braços. -E aí Tio João,eu tava dando uma volta ae pela cidade,e decidi dar um pulo aqui,vê a vó sabe?-Respondi enquanto segurava nas grades do portão. -Conta outra,que não nasci ontem.O que tu aprontou?-Tio João respondeu. -Nada cara,tô falando sério...Só vim ver a vó mesmo.-Respondi cansado. -Aqui não é lugar pra vagabunda da tua mãe,e nem pra o vagabundo miserável que ela trouxe ao mundo.Vá embora!-Tio João disse após um tempo em silêncio,pondo pra fora toda a raiva que sentia. -Tio João,só quero dar um oi pra ela,vê como ela tá.-Insisti,tentando convencer ele. -Da última vez que minha mãe te viu,baixou o hospital e ficou muito mal...Então o melhor que você faz,é voltar pra o buraco de onde saiu e esquecer da gente,muleque safado!-Ele disse,com o tom quem ...
«1234»