1. Fui dormir com papai, na casa do meu tio.


    Encontro: 07/10/2017, Categorias: Incesto, Autor: salinas-vamp, Fonte: ContoErotico

    Ninguém é capaz de imaginar o prazer que senti quando resolvi escrever este conto. Apesar de ser bonitinha, era muito bobinha e acanhada a ponto de ir nas festinhas e não aceitar namorar (ficar) com nenhum dos garotos; enquanto as outras meninas ficavam na maior agarração pelos cantos. Com dezesseis pra dezessete anos, no colégio fui conhecer a minha nova e melhor amiga; a Dalva. Dalva era bem espevitada, e logo que arrumou seu primeiro namorado começou a me confidenciar tudo o que acontecia entre eles... Até quando ela deixou o namorado fazer sexo anal. Eram tantos casos que ouvia da Dalva, que uma semana depois que resolvi aceitar namorar com um cara, comecei a frequentar a casa dele depois das aulas onde ficávamos pelo menos uma hora sozinhos; pois seus pais trabalhavam. Comecei deixando chupar meus peitinhos, passei a masturba-lo com a mão antes de aprender a fazer boquete... Adorei fazer boquete. Demorei, mas também deixei colocar na minha bundinha... Também adorei. Nunca ficávamos completamente nus; apenas tirava minha calcinha e levantando minha saia escolar, ficava de quatro sobre a cama pra ele ficar me comendo por trás. Mas ele, naquela de ficar roçando seu pintinho de 10 cm; mas bastante duro, na minha xoxota, deu uma cutucada enfiando tudo em mim... Na mesma hora dei um pulo da cama descobrindo que ele tinha tirado minha virgindade. Terminamos, e ao arrumar outro namorado fiz a condição dele jamais me forçar a fazer sexo vaginal; o resto valia tudo. Até ai tudo ...
    bem... Mas vamos pro mais importante dessa história. Sempre gostei de frequentar a piscina do clube onde meu pai era sócio. Meu pai era viciado em jogar buraco (jogo de cartas) com seus amigos; tanto em casa quanto lá no clube bebendo cervejas. De tanto ver meu pai e minha mãe jogando “buraco” em casa, fui aprendendo e vez ou outra chegava a participar quando faltava algum parceiro. Estávamos no clube; minha mãe tinha ficado em casa, quando ao me aproximar da mesa onde meu pai jogava com três amigos, ele passou o braço pela minha cintura e me mostrou seu jogo:- Olha só Tânia... Só cartas ruins, né?...Primeiro sentei em uma das suas pernas, antes de, querendo me acomodar melhor sentar no seu colo... Foi quando me dei conta na besteira que tinha feito e quis sair; ele me segurando pela barriga.- Pode ficar Tânia... É bom que você me ajuda!Eu que já devia fazer mais de dez anos que não sentava no colo do meu pai, não demorou pra sentir algo duro cutucando minha bundinha. Comecei a suar frio, mas ele, acariciando minha coxa e com a outra mão segurando as cartas ia me pedindo pra comprar no morto e descartar uma carta. Chegou um determinado momento que meu pai deixou sua mão solta bem no meio das minhas pernas; bem sobre minha xoxota. Devo ter ficado uns dez minutos no colo do meu pai sentindo seu pinto duro o tempo todo, até ele me pedir pra ir aproveitar a piscina que não íamos demorar pra irmos embora. Passados uns 20 dias, foi lá em casa, minha mãe tinha saído e meu pai estava ...
«1234»