1. Noite Especial com meu sobrinho


    Encontro: 06/10/2017, Categorias: Incesto, Autor: silverprateadosurfer, Fonte: ContoErotico

    Noite Especial com meu sobrinhoAnos atrás, André, meu marido e eu, decidimos construir uma pousada em um lugar lindo, no interior. Decoramos os quartos com todo luxo de detalhes e destinada principalmente a casais de modo que pudessem passar principalmente finais de semana, rodeado de belas paisagens, um bosque em meio à natureza.É uma região de montanhas e não ficava perto de nenhuma grande cidade, devido às chuvas e a dificuldade de acesso devido às estradas, fechávamos principalmente no final de dezembro e início de janeiro, que era o momento em que a estação chuvosa estava mais ativa. Algumas vezes ficávamos na pousada, mas um ano ou outro aproveitávamos a oportunidade para viajar e tirar férias.Trabalhávamos na pousada, eu, meu esposo, Gervásio, que era um faz de tudo, duas cozinheiras. No ano passado, meu sobrinho Gabriel ao terminar seu curso superior e não conseguindo uma boa colocação no mercado, veio trabalhar conosco. Ele é filho do único irmão de meu marido e sempre foi um querido de nós dois, apesar de eu e a mãe dele, não nos darmos muito bem, descobri anos depois que ela era apaixonada com André e que se casou com o irmão apenas para ficar perto do mesmo, já que ele havia escolhido a mim e não ela como companheira.Meu marido ficou encantado com a ideia de Gabi vir trabalhar conosco, principalmente porque Gervásio já tinha tempo para se aposentar e estava pretendendo fazer isso em um ano ou dois, afinal de contas, já havia trabalhado muito na vida e queria ...
    curtir os netos. Eles se davam muito bem, o considerávamos o filho que não havíamos tido. Por uma ironia do destino, no meio do primeiro ano de trabalho de Gabriel conosco, meu marido foi acometido por um câncer e faleceu após apenas dois meses da detecção da enfermidade. Fiquei destroçada e viúva aos quarenta anos de idade.Como disse Gabi como o chamávamos era filho do único irmão de meu marido. Um rapaz alto, vinte e dois anos, forte e bonito, moreno como meu marido. Passei a observar como algumas hospedes pediam que ele arrumasse alguma coisa no quarto e que estavam sempre próximas a ele. Como eu não tinha tido filhos, nunca procurei saber o porquê, se o problema era meu ou de meu marido, mas agora, viúva, sentia-me solitária, inclusive tive que tratar uma depressão, produto de sua morte. Esse ano foi particularmente complicado, tanto que ao final, Gervásio me disse que não voltaria para a temporada seguinte e que se aposentaria. Tentei argumentar com o mesmo de que precisava treinar Gabriel para o substituir, mas ele foi irredutível e não consegui convencê-lo. Era mais um baque em minha vida e comecei a amaldiçoar esse ano que me trouxe tantos problemas.Cheguei a pensar em vender a pousada e procurar outro negócio que não implicasse tanto movimento de pessoas e tanta responsabilidade de gestão. Assim, nos últimos meses da temporada, meu sobrinho foi o encarregado de tudo e se saiu muitíssimo bem.Por indicação de meu médico, resolvi viajar nesse final de temporada, com a ...
«1234...10»