1. Meu marido contratou um mestre de obras tarado pra reformar nossa casa e...


    Encontro: 05/10/2017, Categorias: Tesão total-safadeza-orgia-prazer-gozo, Grupal, Autor: GISELLE, Fonte: CasadosContos

    Meu nome é Sandra, tenho 20 anos, loira de olhos verdes, 1.68m e quando me olho no espelho me sinto toda gostosa e sei que desde adolescente despertava desejos nos homens quando passava rebolando meu bumbum empinado com uma calcinha fio-dental atoladinha no rego. Meus seios eram pequenos, mas os bicos eram bem grandes e viviam durinhos parecendo querer furar as camisetas que usava quase sempre sem sutiã no meu dia a dia. Meu tesão vivia a flor da pele e meu grelinho saltado vivia inchado e vermelho de tanto que era bolinado praticamente todos os dias, adorava siriricar meu grelinho até começar a tremer e gozar copiosamente molhando meus dedinhos espertos ficando com a calcinha ensopada. Só continuei virgem até 18 anos por medo de engravidar e também por morar em uma cidade pequena onde todos se conheciam e as garotas que eram muito namoradeiras acabavam mal faladas e dificilmente conseguiam se casar com rapazes bem de vida. Apesar de cabacinho total aprendi tudo de sexo assistindo filmes pôrnos de todos os gêneros na casa de uma amiga bem safada que já não era virgem a um bom tempo. Se nenhuma rola tinha entrado na minha xaninha, no meu cuzinho ou na minha boquinha em compensação as mãos de alguns namoradinhos haviam deslizado por todo meu corpo virgem cheio de tesão me proporcionaram muito prazer e gozos fantásticos, adorava me esfregar nos rapazes e liberava sem frescura todo tipo de carinhos sem penetração e naquele esfrega esfrega minhas coxas e meu bumbum empinado ... receberam muitas jatos de porra quentinha dos taradinhos que não conseguiam controlar o tesão. Na verdade eu era uma putinha virgem muito tarada e safadinha que só não tirava a calcinha porque tinha medo de não resistir e acabar dando a xaninha pra aqueles rapazes gostosos que me pegavam e continuar cabaço me parecia uma garantia pra algo mais sério que pudesse acontecer. Após 3 meses que completei 18 aninhos surgiu em minha vida Roberto, que gostava de ser chamado de Betinho, 22 anos, loirinho como eu, 1.70m, corpo legal por frequentar academia, um cara bonito, com carro bom e apesar de ainda novinho já era o gerente de uma imobiliária da família na cidade vizinha da minha. Betinho havia vindo avaliar uma casa em minha cidade que estava entrando na troca em um negócio e por obra do destino quando ele estava indo embora parou na padaria onde me encontrava sentada tomando sorvete e a me ver trocamos olhares e quando levantei pra ir ao banheiro, estava vestida com um short socado até o talo no rabo com uma camisetinha curtinha que deixava a barriga de fora e ao passar por ele no balcão deu pra sentir seu olhar quente secando meu bumbum que rebolava deliciosamente quando queria chamar a atenção de algum rapaz. Quando sai do banheiro passei pertinho dele dei um sorrisinho sacana e logo que tornei a me sentar na minha mesa ele veio com uma latinha de refrigerante na mão e todo educado perguntou se podia se sentar comigo e lógico que aceitei no ato e passamos a bater papo bem ...
«1234...15»