1. Cont. do AVÔ DA PROFESSORA II


    Encontro: 05/10/2017, Categorias: Incesto, Autor: coroapraiana, Fonte: ContoErotico

    Tentem ler o anterior para melhor entendimento, ok?O tempo foi passando e a minha recuperação foi ficando cada vez melhor. Até que chegou o dia de voltar para Fortaleza. Minha avó ficou pesarosa com a minha partida, e meu avô nem se fala. De vez em quando, após alguma chance aparecer tipo saída da minha avó, caíamos na cama trepando como dois loucos por sexo. Nunca me senti tão preenchida sentimentalmente e fisicamente, por uma pomba como a do meu avô. Na véspera da viagem, conversei muito com ele e pedi para ele se cuidar, fazer exercícios, que eu ainda queira trepar com ele muitos anos. Ele encheu os olhos de água e falou que ia SIM se cuidar. Não avisei ao meu namorado o dia da volta e fui de ônibus, porque assim teria tempo para pensar durante a viagem de quatro horas até chegar em casa. Minha mãe se assustou quando me viu e perguntou por que eu não chamei o Davi para ir me buscar. Eu não respondi e dei um forte abraço nela. Os meses se passaram, mas eu sempre falava com o meu avô e minha mãe até estranhou, porque antigamente, eu não ligava para eles como agora, E eu respondi que tinha sido tão bem tratada, que eles não mereciam o meu esquecimento. Um belo dia, eu vi no Diário Oficial que iam abrir vagas para professora na cidade de Caetanos de Cima e várias outras cidades do interior cearense. Como eu tinha interesse na cidade que os meus avós moravam, me candidatei e após várias semanas, eu soube que tinha sido escolhida. Noossaa, meu coração pulou de alegria, e minha ...
    boceta também. Nunca mais eu trepei com ninguém e havia terminado o namoro com o Davi. Minha mãe não gostou muito. Mas, como ela era uma pessoa muito ocupada, trabalhando os dois expedientes e à noite tomando conta de uma lojinha de artesanato que fica em um shopping, então, não iria sentir muito. Não disse nada para meus avós e pedi “boca de siri” para a minha mãe. Quando cheguei lá de “mala e cuia”como dizem os nordestinos, meus avós ficaram muito satisfeitos, especialmente o meu avô. Achei-o mais magro, mas, mais musculoso. Ele disse que estava fazendo academia na pracinha da cidade e comendo comidas mais leves. Após os cumprimentos iniciais e um cafezinho, avisei que ia ver o por do sol, e minha avó pediu para o meu avô ir comigo, porque ela iria a um grupo de oração. Então saímos os dois abraçados, ele com o braço no meu ombro e eu com a mão na cintura dele. Ninguém estranhou porque todos nos conheciam. Sentamos á beira do mar na areia, um pouco afastados da pequena multidão que queria ver o por do sol. Ele me disse que se masturbava toda noite pensando em mim e cheirando uma calcinha que eu havia dado pra ele, toda melecada da minha seiva. E ficou muito surpreso e feliz quando eu disse que iria morar na cidade e ensinar no único colégio existente, mas triste quando eu disse que iria procurar uma casa para mim, para não dar trabalho à eles. Ele disse que de maneira alguma a minha avó deixaria isso acontecer. Eu estava com um vestido tipo indiano e cruzei minhas pernas, ...
«12»