1. Casal fetichista envolve casadinha em seus jogos sexuais III


    Encontro: 01/10/2017, Categorias: Oral, Anal, Fetiches, Lésbicas, ménage, Interracial, Grupal, Heterossexual, Autor: jornalista77, Fonte: CasadosContos

    No início desse quarto capítulo, vamos encontrar Carolina dormindo às onze horas da manhã. Na verdade, ela havia acordado cedo, como todos os dias, para preparar o café do marido, mas Jorge Henrique acordara, naquela manhã, com fome de outra coisa. Fome de boceta. Ele acordou a esposa, que dormia de bruços, beijando e acariciando suas costas e pescoço. A chamava bem baixinho no ouvido e seus dedos tocavam os grandes lábios, numa cosquinha deliciosa. Carolina foi despertando aos poucos e rebolando, timidamente, no começo, e mais evidente depois. Jorge percebeu que ela acordara e passou a lamber e mordeu suas orelhas. – Acorda, preguiçosa. Tem alguém aqui embaixo doidinho pra brincar com você – disse ele. Carolina sorriu e resmungou alguma coisa, levando o braço pra trás e tateando em busca daquele ‘alguém’. Quando o achou, apertou carinhosamente, sentindo como estava duro. Virou de costas na cama, sem soltar o pau, e, com a outra mão, puxou o rosto do marido para se beijarem. Jorge Henrique desceu mais um pouco e passou para os seios, que foram sugados um a um, e desceu mais um pouco para a xoxota. Carolina e Jorge transaram por cerca de uma hora naquela manhã e ele acabou indo trabalhar sem tomar café. Com fome, mas saciado. A esposa voltou pra cama e dormiu outra vez, acordando às onze com o celular tocando. – Deixa eu dormir!!! Ainda é madrugada – resmungou Carolina. – Madrugada? Tá doida, mulher? É quase meio dia. Eu digo é valha – respondeu a outra. – Meio dia? Eu mal ...
    preguei os olhos – disse Carolina. – A noite foi boa, hein vagaba? Mas, anda, acorda. Vamos almoçar no shopping? Eu preciso comprar umas coisinhas e quero alguém com juízo pra impedir que eu compre demais – convidou Sonia. Carolina bocejou e disse que iria, mas precisava de um tempinho pra banho, maquiagem e trocar de roupa. – Eita, to vendo que vamos jantar desse jeito. Vou dar uma passadinha na Europa e, na volta, você deve tá pronta – ironizou a outra. Carolina desligou sem responder e foi se aprontar. Quarenta minutos depois, entraram no shopping e foram direto para a praça de alimentação. – Estou faminta – disse Sonia. Fizeram os pedidos e começou o interrogatório de Sonia. – To puta com você. Me manda a foto daquela pica linda, me deixa toda acessa de tesão, quase mato o Rafa de foder, e você some. Passa dois dias sem dar notícias e eu ardendo de curiosidade pra saber como foi – reclamou. Carolina começou a rir. – Perdão, querida. Naquela noite, o Jorge e eu jantamos e terminamos a noite num motel. Só chegamos em casa quase sete da manhã e ele foi direto pro trabalho. Eu caí na cama e desmaiei. À tarde, fui pra minha mãe e só voltei à noite. Pra você ter uma ideia de como o Jorge e eu voltamos à ativa, hoje de manhã ele saiu sem tomar café porque acordou com um baita tesão e quis me comer. Quis não, comeu, né? – disse Carolina com um sorrisinho. – Caralho, vocês tão fodendo direto, então? Depois de um tempão de seca, resolveram recuperar o tempo perdido? – perguntou. – ...
«1234»