1. Meu bundão estava enlouquecendo meu filho e levei todos para a praia de nud...


    Encontro: 13/09/2017, Categorias: Com Fotos, Incesto, Autor: Firionsieg, Fonte: ContoEroticoComBr

    Olá a todos. A história que vou contar aqui me aconteceu de verdade, tem pouquíssimo tempo, e eu não esperava compartilhá-la com ninguém. Na verdade, jamais contarei isso pessoalmente a nenhuma pessoa, e nem a contaria aqui, se um fato curioso não me tivesse acabado de ocorrer. Acontece que jamais havia visitado sites de pornografia na internet, mas após o caso que me aconteceu nessas férias, procurei incesto no Google e por acidente li um relato, não sei se real como o meu, mas que era incrivelmente semelhante, pelo menos em algumas partes. Isso me levou a pensar em relatar também o que me houve, e tal ideia começou a me dar muita excitação duma hora pra outra. Meu nome é Elise, tenho 39 anos e sou casada com Ernesto (45), com quem tenho dois filhos. Eduardo de 18 e Erika de 17 anos. Por morar numa cidade grande do Brasil não esconderei seus nomes. Acontece que sou uma mulher muito bonita (aqui não precisarei de falsidade nem de modéstia). Sou de uma família grande e bela em Curitiba. Prático exercício quase diariamente, além do fator genético que sempre me ajudou a manter o corpaço. Tenho os cabelos castanhos, ondulados e um rosto bonito. As pernas elegantes, coxas grossas, e uma barriga enxuta me dão charme, porque não sou baixa. Apesar disso não sou nada pesada, mesmo tendo um bundão redondo e firme, que eu sempre considerei minha principal arma de sedução, e também os seios volumosos (médios para grandes), que sempre atraíram olhares para meu busto, pois sempre gostei ... de usar decotes. Além disso, tenho a pele bem clarinha, que me deixam o busto ainda mais chamativo. Digo isso não para me exaltar, porque não quero conhecer ninguém aqui, mas sim para tentar explicar a primeira dificuldade que surgiu em minha vida. Quando meu filho Edu foi saindo da puberdade, desde quando tinha por volta de uns 15 anos, que venho percebendo seus olhares diferentes em meu corpo. No início eram sempre coisas bobas, como quando passava pelo corredor de nosso apartamento e via, através de algum espelho, olhando para minha bunda. Isso foi se tornando com o passar do tempo cada vez mais comum, a ponto de eu o pegar algumas vezes apertando o membro por sobre o calção. Daí em diante eu procurei me preocupar, pois até antes desses fatos eu mesmo, quase inconscientemente, procurava atiçá-lo. Lembro que quando sabia que ele me olhava eu procurava andar mais sensual. Procurava disfarçadamente rebolar mais a bunda, como se desfilasse. Vestia roupas mais provocativas quando estávamos a sós. Tudo isso era como uma espécie de brincadeira para mim, inocente, sem nenhum propósito. Daí pra frente com minha preocupação, eu busquei parar com tudo aquilo, mas foi então ele que me procurava. Chegava de repente em meu quarto, pegando-me algumas vezes de calcinha e sutiã. Procurava conversar comigo após o banho, para me ver de toalha. E eu sempre reparava nisso, e por isso sempre estava à frente dele, preparada, vestida, mas algo em mim mesmo ciente do erro continuava a brincar com ...
«1234...24»