1. Fantasias da Casada I


    Encontro: 11/08/2017, Categorias: Traição / Corno, Autor: Mauren, Fonte: ContoEroticoComBr

    Meu nome é Mauren, tenho 38 anos, uma filha de 12 e casada há 15 anos. Sou uma dona de casa que não foge muito do padrão normal, a não ser pelo fato de que gosto muito de sexo. Meu marido nem sempre dá conta do recado, fazendo com que as fantasias e desejos nem sempre sejam controlados. Sempre fui muito ativa sexualmente, a minha primeira transa foi aos 15 anos com um primo de 14. Depois disso, ao perceber o quanto é bom , resolvi não inibir o desejo e pratiquei muito na adolescência. A questão é que sempre transei com caras da minha convivência, com alto nível de escolaridade e nível social. Depois de casada dei um tempo, mas a rotina e o nascimento da filha fizeram com que o ritmo de atividade sexual com o meu marido diminuísse, surgindo a necessidade de iniciar as aventuras. Entretanto, depois de alguns anos fazendo folias com pessoas do meu círculo de convívio, surgiu a vontade de me aventurar com outros tipos de homens, mais rudes, grosseiros, enfim, que fossem mais brutos. A questão era quem e como fazer isso. Primeiro achei melhor começar com pessoas próximas e bem chegadas para eu me acostumar com a situação e não correr riscos. Bem, após pensar bastante no assunto e ficar muito excitada e completamente molhada com a possibilidade de fazer isso, surgiu a lembrança de um tio emprestado, casado com a irmã do meu pai. Eles sempre foram muito humildes, moravam em um bairro na periferia e ele tem um bar, daqueles bem podres, que vendem cachaça para bebuns. Ele sempre ... esticou os olhos para mim. Lembro que na praia quando iam nos visitar, ficava olhando para minha bunda e peitos, que por sinal são avantajados, sempre com cara de tarado. Vi ele um dia tentando esconder a excitação na praia enquanto me olhava. Sempre que nos vemos percebo que ele fica nervoso. Bem, como ele entende bem de eletricidade, pensei em chama-lo para verificar algumas tomadas aqui de casa que estavam com problema. Liguei para ele, que prontamente colocou-se à disposição para vir. Disse que estaria sozinha, sem filha e marido naquela tarde, assim ele poderia trabalhar tranquilo. Eram 13:30 h da tarde quando toca o interfone. Chega o meu tio, todo suado, com uma calça de abrigo velha e meio rasgada e uma camiseta branca. Ele tem 68 anos, 1,80 m de altura, uns 100 kg, e aquela barriga enorme de cerveja. Mas pelo que já pude perceber quando está de sunga, ele tem um belo e enorme cacete no meio das pernas. Bem, para recebê-lo coloquei uma calça de ginástica bem apertada, sem calcinha e apenas uma regata de ginástica sem sutiã. Atendi a porta, e ele de cara já fez uma varredura completa com os olhos. Fiz questão de abraça-lo bem forte para provoca-lo bastante. Ele entrou e mostrei as tomadas com problema, me abaixei bastante na frente dele, empinando meu rabo e abaixando minha blusa para que ele tivesse uma visão privilegiada dos meus grandes peitos. Depois desta primeira investida, já percebi que ele estava com as mãos nos bolsos tentando esconder a excitação. Deixei-o lá ...
«1234»