1. A esposa do meu amigo me levou para passear de lancha


    Encontro: 10/08/2017, Categorias: Traição / Corno, Autor: kaplan, Fonte: ContoEroticoComBr

    (escrito por Kaplan) Tenho um casal muito amigo, que nós apelidamos de “casal AA”. Não porque eles estejam frequentando aquela instituição que contribui para fazer as pessoas pararem de beber, mas porque ambos tem os nomes iniciados pela letra A: Augusta e Adelmo são os nomes deles. Bem casados, já com filhos criados e estudando em boas universidades, tem posses, inclusive uma que é a paixão deles e o prazer de todos que por lá aparecem: uma casa de campo à beira de um grande lago. Muitas e muitas vezes frequentei aquela casa, sozinho ou acompanhado. Mas nada de sexo, a nossa relação era puramente de amizade. Nunca rolou nada, absolutamente nada. Eu até já tinha sonhado com Augusta, uma linda morena, na faixa dos 46 anos. Só a tinha visto de biquíni e já fora o suficiente para admirar o belo corpo dela. E sonhar com ela. Mas jamais daria uma cantada, pois isso poderia atrapalhar nossa amizade. Teve um dia em que tudo mudou. Eu tinha sido convidado a ir com eles, passar um fim de semana na tal casa de campo. Como sempre eu aceitei, porque era um local super agradável. Somando a beleza do local com a presença de amigos queridos… o que mais a gente pode querer? Fomos no carro deles, me apanharam em casa num sábado bem cedinho, porque a casa ficava a mais de duas horas de distância. Às 9 horas, já estávamos lá, sentados à beira da piscina e tomando as primeiras cervejas do dia. Pensei ter sido impressão minha, mas eu achei que os dois estavam meio “diferentes” naquela manhã. Ela ... estava visivelmente nervosa, chegou a deixar um copo cair e quebrar. Havia “algo” no ar, eu sentia e começava a ficar incomodado. Depois do almoço, ajudamos Augusta a arrumar tudo na cozinha. Vi que ela olhou para o Adelmo, balançou a cabeça afirmativamente e aí nos convidou para um passeio na lancha que eles tinham lá. Era um programa que sempre fazíamos, não era novidade, eu aceitei de cara. A surpresa foi que Adelmo alegou estar indisposto e disse que iria tirar uma soneca. Ela virou-se pra mim e falou: – Confia em mim pilotando a lancha? Se confiar vamos nós dois. – Confio, claro, já vi você pilotar muitas vezes. Então fomos. Havia um silêncio muito grande, eu estava tentando entender o que se passava. Fiquei sentado olhando a bela bunda dela bem à minha frente, num biquíni bem reduzido. Ela dirigia com muita presteza a lancha e fomos nos afastando bastante das casas. Depois de um tempo, já sem casa alguma à vista, ela parou e veio sentar-se ao meu lado, me oferecendo uma cerveja. Tomei coragem para perguntar o que estava acontecendo. Ainda bem nervosa, ela confessou: – Kaplan, o Adelmo não estava passando mal, e nem estava querendo dormir. – Não entendi… por que ele não veio com a gente? – Alguns dias atrás nós estávamos conversando sobre nossa vida, e chegamos à conclusão de que o sexo, apesar de bom, estava ficando meio monótono. E acabou que lembramos de você e da Meg e do casamento aberto que vocês tinham. E eu, particularmente, fiquei sabendo de quase todos os casos ...
«12»