1. PAIS, COMAM SUAS FILHAS EM CASA!


    Encontro: 19/06/2017, Categorias: Incesto, Autor: scaramouche, Fonte: ContoEroticoComBr

    (Este conto é um Original Scaramouche) Essa é uma história simples. O problema é fácil de ser compreendido. Tenho uma filha que é mais elegante que a outra. Cláudia, o nome dela, sempre foi uma mulher atraente. Desde a mais tenra idade procurava se vestir com boas roupas, se maquiar, chamar atenção. A outra, minha filha mais nova, já é mais sem pretensão, mais largada e tal. Embora ambas sejam belíssimas, a mais nova com 17, e Cláudia com 25 anos, esta sempre me chamou muito mais atenção, ainda que eu só procurasse vê-la como pai. Cláudia tem o corpão de filha desenvolvida, além de ser belíssima de rosto. Quando íamos a praia, há alguns anos, a outra era mais nova e chamava pouca atenção, enquanto Cláudia, com 21 anos, atraia todos os olhares para si e fazia a mãe ficar com vergonha. Nunca vi pernas mais bonitas em toda minha vida! Vestia um biquíni branco. Sua bunda tem o formato perfeito de coração, carnuda, e, na parte de baixo desse coração, um espaço entre suas coxas se formava e permitia ver por trás sua vulva cheia, escancarada no biquíni. Longe de Cláudia ser vulgar, sabia lidar com sua beleza de forma impressionante. Quem a abordasse ela sabia dispensar com um simples levantar de mão. Certo dia, quando ela ainda morava em casa, Cláudia me fez levantar umas 3:oo da madrugada para lhe abrir o portão. Chegava de uma festa numa das boates mais seletas desta cidade. Costumava andar nos melhores cantos com as amigas. Estava linda. Toda produzida, vestido de noite, ... maquiagem profissional e tal. Me esperava cansada no pé da porta, o salto na mão, preocupada com a rua deserta. Abri e entramos em casa, e ela para não acordar ninguém passou para um dos quartos no andar de baixo mesmo. Eu, porém, como não queria mais acordar naquela noite, aproveitei o banheiro para dar uma mijada, ainda que não estivesse com vontade. Displicentes, deixei a porta aberta e balançava o pau, quando, para meu espanto, olho de lado e vejo Cláudia parada na porta, apenas de lingerie. Ela também deve ter tomado um susto. Vestia apenas uma calcinha, sutiã, e uma meia branca, que vinha até o meio das coxas e se prendia na calcinha por umas tiras laterais. Cláudia não parava de olhar para meu pau em minha mão. Confesso que ele não estava duro, estava um mole grande. Mas com a imagem daquela gostosa de calcinha no pé da porta, mesmo sendo minha filha, incontrolavelmente meu pau endureceu em minha mão. Nessa hora ela disse: – Desculpa, não sabia que tinha alguém… – disse, sem no entanto mover um passo. Eu não conseguia desviar os olhos de sua vulva. Estava hipnotizado em sua calcinha, e não respondi nada. Ela, vendo a cena, ao invés de sair disse: – Vim só lavar as mãos – e fez foi entrar no banheiro e do jeito que estava parou ao lado na pia. Tomei um susto com aquela atitude inesperada, foi quando notei que meu pau já estava apontando para o teto de tão duro. Contudo não me preocupei em escondê-lo, pois quem mandou ela entrar? Além do mais, seria inútil tentar com a imagem de ...
«1234...10»