1. SURPRESAS DO CORAÇÃO - PARTE XIX


    Encontro: 19/06/2017, Categorias: felação, hardcore, Oral, Sexo, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Grey, Fonte: CasadosContos

    acostumar, e, portanto, voltasse à respiração normal. - Tô pronto Mauricio. Cacei em seu olhar a confiança que precisava para deixá-lo prosseguir. E achei. Por isso permitir, por sua vez, Mauricio retribuiu com um beijo carregado de paixão. - Se não der conta avisa e eu paro. Começou os movimentos. O pau do Mauricio entrava e saia fazendo caminho pela estrada apertada. Ele fodia na mesma cadência forte do sangue que irrigava seu membro. HUMMM era a única coisa que saia da minha boca. O vai-e-vem fez meu cu arder, como se brasas me queimassem por dentro. Ao mesmo tempo em que uma onda de eletricidade me envolveu. - Fode moço. Fode meu cu, fode. - Tô fodendo porra. Depois de um longo período de vai e vem, no qual tudo o que não fossemos nós dois, havia desaparecido, havia perdido o sentido. Não bastasse isso, o bom desempenho do grandão, fez que aliviasse meu desespero e me encheram de um ímpeto primitivo e singular, tão intenso, tão veemente que chorei sem premeditação, uma lágrima fortuita, resultado da alegria que transbordava meu coração. Mauricio anunciou: - Vou gozar. Vou gozar. Não houve tempo para sair de dentro de mim, os jatos de semêm, ele despejou em mim. Parecia um animal esturrando. Depois, saciado se mostrou preocupado em me ver também saciado. - Quero ti ver gozando moço. Goza pra mim. O grandão mais uma vez me surpreendeu. Ele não era egoísta. Comecei a manipular meu pau. ... E não tardou, gozei de tanto prazer, aliviando toda a tensão, toda a sensação primitiva que derivava do meu cú. Joguei-me na cama. Ao meu lado o grandão também se jogou e trouxe minha cabeça para junto do seu peito. Sorri docemente para ele, em sinal de admiração e devoção, em seguida descansei sobre o peito dele. A sutileza da cena nos envolveu significativamente cujas palavras não são capazes de traduzir, então eu apenas me preocupei em desfrutar o momento. Dormimos. Pela madrugada acordamos. - Te satisfiz?- perguntei curioso. - Sempre. – ele respondeu saindo da cama rumo ao banheiro. - Tô quebrado moço. Incomodaria-te se eu voltasse a dormir? - De maneira nenhuma. - Então, eu vou voltar a dormir. - E eu vou banhar. - Mauricio, eu pela manhã irei à Mariana. Tenho marcado uma reunião com o prefeito. - Fazer o que? - A pauta da reunião, eu ficarei sabendo lá. - Logo pela manhã não poderei te acompanhar, mas prometo que vou buscá-lo. - Não precisa se incomodar. Posso ir e vir sozinho. - Não é incomodo moço. Eu faço questão. Dito isso entrou no banheiro. Eu dormir novamente. Dei por mim Mauricio deitou-se atrás de mim e aninhou seu corpo no meu. Ficamos de conxinha. Ainda dei uma conferida a fim de olhar se, de fato, ele estava ali atrás de mim. Se, de fato, eu não estaria sonhando. Graças a Deus era realidade. Envolvido em seus braços, dormir de conchinha. Radiante, totalmente radiante.
«123»