1. Evangélica novinha V– Desejo.


    Encontro: 18/06/2017, Categorias: Virgens, Autor: goreth melodia, Fonte: ContoErotico

    tormento foi me perseguindo até que um dia presenciei o que nunca imaginei ser possível. Minha irmã tinha 17 anos, trabalhava durante todo o dia e à noite íamos para a escola, ela já estava de 4 meses de gravidez, mas íamos assiduamente à escola. Eu pensava até que os dois estavam vivendo bem, mas uma noite como de costume tínhamos de ir à missa, que era rezada na capelinha da fazenda, saímos eu, minha irmã e meu pai, minha mãe ficou em casa fazendo o almoço. Jesuíno estava fazendo hora extra, afinal, ele estava precisando de grana. Durante a missa me senti meio fraca, aproveitei e pedi para meu pai se poderia voltar para casa, com seu consentimento tomei caminho para nossa casa. Caminhei a passos lentos e me aproximei vagarosamente de casa. Quando já ia entrar pela porta da cozinha, como era costume nosso, ouvi sons diferentes, uma espécie de gemidos que me deixaram curiosa, pois eles partiam de dentro de casa e naquele momento só deveria estar ali a minha mãe. Vou pé ante pé para ver o que acontecia me aproximo da janela que sempre fica aberta e pela fresta eu espio. Assim vejo uma cena que me deixou estarrecida. Escorada na pia da cozinha está minha mãe, segurava firmemente na beirada da pia, sua saia estava arregaçada até acima da cintura, sua calcinha caindo pelas pernas e atrás dela esta meu cunhado Jesuíno. Ele a segurava pelas ancas e movimentando firmemente a estocava impetuosamente. A cada embocada sua fazia minha mãe gritar, um grito abafado como que para ninguém ... ouvir. E mesmo sendo dominada até com uma certa violência, rebolava no pinto dele intensamente. Ele a chamava de “puta”, sogra “gostosa”, (afinal, minha mãe apesar de na época ter uns 35 anos ainda dava um bom caldo), dava uns tapinha nas nádegas dela e ela gemendo sussurrava pedindo mais, falava entre os dentes que meu pai já não era o mesmo homem de antes, que não a comia daquele jeito e suplicava que enfiasse nela, que metesse tudo, que enfiasse bem fundo e assim eles ficaram metendo e eu ouvia o som das batidas do corpo dele na bunda dela, até que num momento suas respirações se alteraram, seus gemidos se transformaram em grunhidos e arfando intensamente pude perceber que gozaram. Ele permaneceu um tempo dentro dela e quando foi se afastando ainda vi ela tentando segurá-lo mais tempo nela, segurou a mão dela e foi saindo detrás dela, vi seu pinto brilhante escapar da buceta dela, pegou um pano de prato que estava ali sobre a pia e se limpou, arrumou suas coisas na calça e sem dizer uma única palavra saiu. Minha mãe ainda ficou lá largada e por uns momentos se deixou ali pendida sobre a pia. Sua bunda grande ficou ali toda exposta, com a porra dele escorrendo da buceta pelas pernas. Eu também ali na janela, com o corpo todo desamparado, eriçado e tremendo dos pés à cabeça, praticamente sentia meus líquidos escorrendo de tanto tesão. Naquele momento meu maior desejo era de estar no lugar dela, passei a mão na minha xaninha e senti minha calcinha toda empapada, por um momento ...