1. O cara da cicatriz que eu amo parte 11


    Encontro: 17/06/2017, Categorias: Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, sofrimento, Acidente, arrependimento, Choro, Conversa, irmão, Autor: Henrinovembro, Fonte: CasadosContos

    Vamos ao conto. ****** Parte 11 ****** NARRADO POR LUCAS. quando acordei pela manhã, estava com uma dor de cabeça tremenda, nunca tinha tido um porre daquele, tinha algo de errado com minha bebida, eu fiquei muito bêbado e foi muito rápido. Meu celular estava jogado em cima da cama onde eu dormi, tinha umas fotos das quais não lembro, uma menina me chupando, eu estava inconsciente naquele momento e ela fez aquilo e se filmou, ou ela era burra o bastante ou fez de propósito para conseguir alguma coisa. No primeiro andar da casa onde foi a festa tinha pessoas espalhadas jogadas pelo chão, estavam bêbadas, e meu amigo se levantou e disse que o George saiu mais cedo um pilha de nervos e que sua moto teria ficado lá na frente. Eu me desesperei porque ja estava claro que ele viu o que aconteceu, fui para a saída e realmente vi a moto dele por lá, liguei para ele e só dava na caixa postal, peguei meu carro e fui para o apartamento dele, chegando lá abro a porta com minha cópia da chave e vejo uma muda de roupa jogadas pela casa, mas o interessante da história era que no meio das roupas tinham duas cuecas. Não tinha ninguém em casa e tornei a ligar para ele, só dava na caixa postal, ja passava das 10 da manhã, onde ele estaria? Resolvi procurar ele só na saida da faculdade, quando ja estava dando 17:40 ja estava no estacionamento, fiquei fora do carro para ser mais visível para ele, tentei ligar mas caía na caixa postal direto. Foi a maior cagada na vida ter ficado naquele festa, ... séria a responsável em acabar com meu relacionamento com meu pequeno. Eu estava distraído nos meus pensamentos que não vi o George sair, fui até sua sala e não tinha mais ninguém, os poucos dos colegas dele que estavam espalhados pelo campus falaram que ele já tinha saído. Retornei a ligação e nada, eu sabia que ele não iria me atender mas mesmo assim eu insistia. Ja estava tarde e eu não consegui falar com ele, estava sendo rejeitado e com razão, acabei com a confiança dele. Minha vontade era de ir até o apartamento dele, agarrar aquele corpo e beijar até eu me cansar, resolvi que iria pela manhã, daria mais tempo a ele. NARRADO POR GEORGE: Pelo contrário da noite passada eu dormi foi bem, ter alguém para dividir as coisas é tão bom. Como eu já estava praticamente de férias eu iria partir rumo a fazenda da minha família, respirar novos ares, ir para a minha montanha pensar, um lugar onde eu refletia, pensava em tudo principalmente nas besteiras que eu faço. Me arrumei botei tudo dentro do meu carro e sim tenho um carro também e para os curiosos eu não trabalho, meu pai é o homem que me banca rsrs. Passei na faculdade para ver se estava tudo ok para eu pegar umas férias e como ja esperado, estava aprovado nas disciplinas que eu estudei no semestre. Botei o pé na estrada e fui rumo ao interior, sentir o vento no rosto era uma maravilha, sensação de liberdade, logo logo estaria no colo da mamãe e recebendo o cafune do meu papai, cheirinho de casa e a família reunida. *** A gente ...
«1234»