1. O MOTORISTA GAÚCHO


    Encontro: 17/06/2017, Categorias: Gays / Homossexual, Autor: micshameless, Fonte: ContoErotico

    O bom de trabalhar num setor com pouquíssimo movimento (que no meu caso é o almoxarifado) é que surgem muitas oportunidades pra se fazerem 'coisas'. Melhor ainda pra alguém que adora um sexo com estranhos como eu. Um certo dia, eu chego no meu setor, o pessoal me passa tudo o que tenho que saber antes de irem embora. Eles me avisaram que havia uma carreta carregada de cal descarregando na indústria, me mostraram a nota e partiram. Umas quatro horas depois, um homem aparece no balcão, um pouco bravo, dizendo que ele havia entrado para descarregar, mas até aquele momento não havia aparecido ninguém para descarregar a carreta. Pedi que ele aguardasse uns minutos enquanto eu entrava em contato com o supervisor de descarregamento. Se ele já estava bravo, ficou mais irado ainda depois que lhe contei que o pessoal do descarregamento iria descarregá-lo somente pela manhã do dia seguinte. Ele perguntou se podia entrar no meu setor para poder usar a torre de celular, pois o sinal era mais forte, e como eu não queria deixá-lo com mais raiva ainda, eu fui até a entrada e abri a porta pra ele entrar. Deixei ele conversando no celular e entrei na minha sala. Da minha mesa, pela janela de vidro, comecei a reparar o motorista de cima a baixo. Alto, magro porém com uma leve saliência na barriga, olhos azuis, cabelos grisalhos, e tenho certeza que já passava dos quarenta anos, a calça estava completamente empoeirada, talvez porque estava tirando a lona de seu caminhão. Passado alguns minutos, ... ele me chamou e pedi que ele entrasse. Quando ele chegou perto de mim, senti um calor imenso. Ele perguntou se podia usar o banheiro. Disse que sim e levantei para abrir a porta que dava acesso ao salão e aos banheiros e, quando ele passou por mim, minha vontade era de agarrá-lo e botar a mão na mala dele. Quando ele já estava entrando no banheiro, de repente me ouvi dizendo: “QUALQUER COISA, SE PRECISAR DE AJUDA, É SÓ ME CHAMAR!”. Eu nem acreditei que tinha dito. O motorista se mostrou indiferente com um olhar por cima do ombro e já fechando a porta, e eu apenas com um sorriso sem graça. Estava sentado conferindo algumas planilhas, e percebo que a porta da sala se abria. Senti uma mão no meu ombro, e o motorista dizia: “VOU PRECISAR DE AJUDA COM ISSO AQUI, Ó!”. Quando olhei pro lado, o cara estava com a calça e a cueca abaixadas até os joelhos, e segurando uma rola que parecia muito apetitosa, grossa e de uns 17cm. Não falei nada, apenas agi. Tirei a mão dele daquele cacete e quis segurar eu mesmo. Quando dei por mim, estava mamando, sugando cada centímetro daquele pau. Tinha uma cabeça grande e era bem avermelhada, dava pra sentir ela pulsando enquanto eu a lambia, como se fosse um pirulito muito saboroso. Desci minha língua pro saco dele, que era grande e flácido. Fiquei fascinado com aquelas duas bolas penduradas sob aquela rola deliciosa. Não houve conversa, apenas sentia ele gemer bem baixinho. Gemidos de muito prazer. Nisso, gastei uns bons dez minutos mamando aquele ...
«12»