1. Fast Food – vem que quero te comer!


    Encontro: 15/06/2017, Categorias: Fetiches, Autor: Raquel W., Fonte: ContoEroticoComBr

    Essa história um amigo safado contou e tive a sua permissão dividir com vocês: O encontro estava marcado para as 15:00 na casa dela. As 8:00 mandou bom dia e lembrou que faltava 7 horas para o encontro. Mandou várias mensagens nesse tempo de espera. Descreveu com detalhes o que faria comigo , os beijos, as linguadas, as posições. Incrementou com as fotos que tiramos na última transa. Ela sentada no meu pau, eu passando a línguas nos peitos roliços feitos à mão. Eu ia até o banheiro do trabalho para ler os recados e retribuí com fotos do meu pau babando. Menti que tinha uma reunião externa e sai em busca do prazer. Como sempre, a porta estava aberta, fui tirando a roupa e caminhei de cueca até o quarto. Esperava encontrá-la nua, de pernas bem abertas, mas estava de pé na porta, me esperando. Nos beijamos com vontade, ela foi me abraçando e rapidamente me virou contra a parede, lambeu meu pescoço, abaixou minha cueca e meteu os dedos no meu cú. Ela me pediu pra empinar a bunda. Abriu com as mãos e passou a língua, deixou bem dura na entrada no meu cú, que piscava em retribuição. Eu gemia de tesao. Ela cuspiu e em um movimento só, enterrou seus 20 cm de pau grosso.. Doeu, mas logo passou e ela não parava de me comer. Me agarrou pela cintura e com o pau ainda dentro de mim, me levou até a cama. Ordenou que eu ficasse de 4 e obedeci, ganhando mais rola e apanhando na bunda. Tirava o pau do cú e me dava pra mamar. Sentei na cama para sugar o pau delicioso dela. Ela me empurrou pra traz, cai com as costas na cama e ela gozou em cima do meu pau ereto. Se ajoelhou no chão, descansou a cabeça nas minhas pernas trêmulas. Pegou na base do meu pau e lambeu a porra escorrida até ganhar a minha porra num jato forte e quente. Dividimos um cigarro, o telefone tocou e era hora de ir embora pra casa. Quando cheguei em casa, ela estava esperando nua na cama, pernas abertas, a buceta brilhando de tesão e um pau preso na cintura. . Não resisti e cai de boca.
«1»