1. A SEITA PARTE II


    Encontro: 14/06/2017, Categorias: dono, xaninha, patricinha, escrava, Heterossexual, Autor: Dessa16, Fonte: CasadosContos

    Olá, Sou a Carol e vou continuar contando a minha história iniciada no conto “A SEITA”... Bem depois que o Paulo mandou o meu motorista levar-me para colocar piercing nos mamilos com um pingente com um símbolo, estilo o da maçonaria, eu fiquei intrigada... Mas apesar disso, não questionei o Paulo... Nos dias seguintes tudo continuava na mesma... Eu chegava na faculdade e ia direto na sala do Paulo mamar a pica dele, mas claro, não sem antes ter que pedir pra chupar a rola dele... Eu estava totalmente submissa a ele, as vezes, eu mesma não acreditava que uma jovem rica e patricinha que nem eu, estava agora sendo escrava sexual... Nunca havia imaginado isto, mas estava adorando ser fudida e humilhada... Eu era outra pessoa, só de entrar na sala dele, minha calcinha ficava encharcada... Depois de umas duas semanas desde que ele me transformou em puta dele.... Ele disse para preparar-me que na sexta feira a noite daquela semana teríamos um evento muito importante, onde eu seria oficialmente escrava dele. Na sexta feita na hora de ir para a faculdade o motorista disse que o patrão Paulo tinha mandado ele me levar direto a um local afastado da cidade, que o Paulo nos encontraria lá e que era para eu colocar uma venda, pois o local era secreto. Depois de uns 50min andando chegamos... O motorista mandou eu tirar a venda, quando olhei... Nossa era uma casa enorme antiga, parecia um palácio... Ele me levou até uma entrada auxiliar... Lá uma senhora me recebeu e perguntou “Qual seu ... nome e o nome do seu mestre?”, eu logo respondi “Carol e meu mestre é o Paulo”... Aí ela olhou na lista dela, pegou uma mala e mandou ir até uma sala ao lado para me vestir com as roupas que tinha na mala... Fui, tirei minha roupa e coloquei na mala e vesti as que me deram... Que era tipo um maiô, só que de couro e todo vazado, que deixava minha bucetinha e peitos descobertos, além disto tinha uma sandália de salto alto, uma capa aveludada e uma coleira com uma placa pendurada com o numero #247... Me olhei no espelho antes de colocar a capa e eu parecia uma vagabunda mesmo... Fiquei lá esperando algumas horas... Até que bateram na porta e eu abri... Era o Paulo, ele tirou-me a capa que era amarrada por uma corda no pescoço e me olhou... Ficou satisfeito com o que viu e disse “Falei que te transformaria em minha escrava! Agora sim, vc parece uma puta.. Que me pertence!”, eu não respondi nada e baixei a cabeça... Ele abaixou as calças e mandou eu mamar a pica dele.. Eu cai de boca até ele gozar e bebi todo o leitinho do meu mestre. Ele então disse que a festa estava por começar e que ia terminar de me aprontar... Mandou eu por as mãos para trás e amarrou-as e me cobriu com a capa... Disse que ia me guiar e que era para eu não olhar diretamente para ninguem... Me levou por um corredor e ficamos ao lado de um palco... Até que a senhora apareceu e disse “Pode levar sua puta, Paulo!” e ele foi me levando ao palco... Eu fui de cabeça baixa... Ao chegarmos ele me colocou bem no centro e ...
«1234»