1. O dono do estacionamento


    Encontro: 14/06/2017, Categorias: gozada dentro, final de semana, Oral, penetração anal, estacionamento, moreno, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Biriba, Fonte: CasadosContos

    Sábado a noite e resolvi passear pelo bairro vizinho. Resolvi pegar um ônibus e desci bem no centro onde havia um movimento melhor e várias opções de locais para tomar uma cerveja. Não havia compromisso com horário e estava disposto a passar a noite pelas redondezas. Eram onze horas e entrei numa lanchonete. Solicitei o meu pedido enquanto um rapaz alto, moreno, com seus um metro e setenta foi comprar um cigarro passando a puxar assunto com o rapaz do balcão. Fiquei observando a conversa e poucos minutos depois já fazia parte do assunto. Ficamos papeando até meia noite quando o dono do estabelecimento iria fechar as portas. Já estava na hora de fechar, paguei e saímos. Acabei sendo convidado por ele para continuar a bebedeira no estacionamento ao qual ele tomava conta bem próximo ao local. Para quem não sabe sou Flávio, tenho cabelos pretos e olhos castanhos, pele branca e um e setenta de altura. Gosto de aventuras e curtir a vida sem preocupação. Topei a ideia e entramos no estacionamento onde havia uma casa ao fundo. Entramos e fomos para a cozinha. Recebi uma cerveja em lata e ficamos batendo papo. A conversa foi ganhando mais assunto e depois de uns quinze minutos já estávamos falando sobre diversos papos sendo que ele s abriu: - Faz tempo que eu não pego uma mulher! - Sério? Por quê? Você não tem cara que deixa passar a oportunidade! - É...mas estou numa secura brava! - Seu porte físico é bom! Não sei porque você está nessa situação! - Gostou do meu porte físico? - Sim, ... claro! Você deve ser bom nisso! - Quer saber como é? - Se puder… Sem muita delonga ficou em pé, aproximou e tirou seu sexo para fora da calça. Uma rola bem grossa aos poucos foi ganhando vida e curioso como sou já fui alisando com as mãos. - Vai chupar? - Você deixa? - É toda sua! Aos poucos passei a alisar com mais vontade e masturbar até ganhar rigidez. O pau cresceu violentamente em minhas mãos e sua cabeça estava bem exposta. Passei a língua no entorno subindo e descendo vindo a engolir. Explorei bem a cabeça com minha língua recebendo um vai e vem bem gostoso. Um pau moreno, grosso e com dezessete centímetros não era para qualquer um. - Isso...chupa gostoso! Língua deliciosa! Lubrifiquei bastante a cabeça com saliva além de receber diversas passadas por fora da boca melecando todo meus lábios. Chupava num ritmo forte e com vontade. Percebia seu grau de satisfação ao fazer expressões de prazer. Cabeçadas nos lábios com passagem pelo rosto tornaram-se constantes. Minha cabeça fazia um vai e vem bem rápido lubrificando muito aquele pau delicioso. Resolveu segurar minha cabeça e forçar o pau dentro da minha boca. Sua cabeça facilmente chegava até minha garganta onde tirava para tomar ar e saía bem lubrificado. Percebi que estava ficando sem fôlego e sua pica formara um fio de saliva entre a cabeça e meus lábios. Ficamos ali uns vinte minutos nessa brincadeira. Não tinha pressa porque o primeiro cliente do estacionamento só tiraria seu carro por volta de seis da manhã então ...
«12»