1. Desejos de Colégio - parte 11


    Encontro: 13/06/2017, Categorias: Safadeza, colegas, colégio, Anal, cunete, Menage, SAFADO, Chuveiro, banheiro, vestiário, Putaria, Sexo, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Bernardo, Fonte: CasadosContos

    (leiam partes 1 até a 10 antes para entender) Desejos de Colégio - parte 11 UM MÊS DEPOIS "Eu transei com Matheus" ficou ecoando na minha mente pelo próximo mês inteiro. Já era época de provas de novo. Fazia um mês que tive minha primeira e última vez com Rodrigo. Um mês desde que saí para dar uma volta com Matheus. Um mês que consegui ter alguma vontade de me envolver amorosamente/fisicamente com alguém. Tudo desandou desde aquele dia. Ignorei Matheus, ele tentou… mas logo desistiu. Tentei me desculpar com Rodrigo, mas ele não quis saber, estava muito magoado. Nem minha amizade com Leandro continuava a mesma, nem minhas amigas eu conseguia ser um bom amigo. O mês inteiro aquela frase me assombrou. A única parte que não afetou foi no meu rendimento acadêmico. Decidi dar total foco para as notas. Estava indo muito bem, tanto nelas quanto no Xadrez. Estava ganhando várias partidas de Leandro e os treinos aos domingos com o professor Fábio estavam garantindo um bom desempenho para o campeonato que seria semanas depois. EDUCAÇÃO FÍSICA Era quarta-feira, 7h da manhã, quando o despertador tocou bem alto. Normalmente eu acordava e pensava no "Eu transei com Matheus" com arrependimento. Mas dessa vez não. Eu estava cansado de viver assim, cansado de me culpar. Tentei me desculpar e então, decidi seguir minha vida. Se eu poderia ter tido um grande amor com Rodrigo? Talvez. Se eu poderia ter curtido muito a vida com Matheus? Talvez. Mas estava cansado disso tudo. Na aula de manhã já ... mudei meu jeito de encarar as coisas. Dei mais atenção para minhas amigas, interagi mais durante o intervalo. Fui pra casa mais animado. Tinha muita coisa pela frente ainda, não poderia só pensar no lado ruim. De tarde tinha educação física, no caso Xadrez pra mim e Leandro e Futebol para o resto dos primeiros anos, decidi ir com um humor diferente pra essa aula do que no último mês. Cheguei no colégio e dei de cara com Rodrigo, que logo virou a cara, geralmente ficaria triste.. Dessa vez resolvi deixar pra lá. Não que eu não sentisse mais nada por ele, mas eu precisava seguir em frente. Quando vi Matheus chegando abanei pra ele, sorrindo. Ele logo sorriu e veio me dar um abraço. -Oi Ber, saudade desse sorriso -ele disse, me olhando feliz -Acredito que temos que conversar… preciso explicar algumas coisas… pode ser agora? -perguntei E então conversamos. Contei sobre tudo. Sobre Rodrigo (pedindo sigilo, é claro), sobre o que aconteceu com a gente, desabafei tudo que precisava. Matheus foi muito compreensivo. Ele disse que não tinha entendido o que eu estava sentindo, achou que tinha sido culpa dele minha mudança de humor. Apesar de ser super discreto quanto a sua sexualidade entre os 6 muchachos, Matheus nunca escondeu nada deles (apenas nunca revelou ser gay) e nunca foi preconceituoso que nem o resto. Ele achava que, quando fosse a hora, Rodrigo ia contar pra ele tudo. Ele jurou não falar nada e eu sentia que poderia confiar nele. Então voltamos para o ginásio e encontramos ...
«1234»