1. O amor vem de onde menos se espera. 3


    Encontro: 13/06/2017, Categorias: Tensão., Drama, Arma, Cadeia, Romance, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Berg, Fonte: CasadosContos

    Sem nada responder, levantei da pedra e fui até o tal ''boi''. Após eu entrar, o branco da cicatriz e o parceiro me acompanharam. - Tu ta com sorte que eu não to com o ovo virado. (disse o cara tirando a bermuda). Poderia fazer um desenho na tua cara. O outro cara seguiu os passos do amigo e começou a se despir também. - abaixa aqui. (dizia ele apontando para sua frente). Eu - velho, vamos conversar cara. (dizia eu me afastando até minhas costas tocarem na parede do minusculo banheiro). O cara riu em silencio e deu dois passos até chegar a mim. - conversa com minha rola. (e me empurrou contra o chão). Tentei levantar, mas o cara fez força contra o meu corpo, e tentou colocar seu pau em minha boca. Eu - Sai velho. (falei desviando minha cabeça). - fica quetinho aí caralho. (disse ele apontando o dedo em minha direção). O pau do cara já tava meia bomba. Ele segurou minha cabeça com suas duas mãos, e tentou, mais uma vez penetrar minha boca com seu membro. Trinquei os dentes, e colei um lábio no outro, o cara pareceu ficar irritado, e mandou o comparsa me segurar. Este obedeceu de imediato, tentando laçar meu pescoço para que eu não me move-se. Eu - Me solta, me solta. (aumentei o tom da voz). Eles não temiam, apenas debochavam daquela situação. Eu - eu vou gritar pelos guardas. O cara parou com aquilo e me olhou de cima pra baixo. - ele disse que vai fazer o que? (o cara da cicatriz perguntou para o amigo). - eu não entendi, mas eu acho que ele vai gritar pelos guardas. ... (disse ele com um sorriso irônico). Minha respiração estava aguda. - ah, ele disse que vai gritar pelos guardas? (disse o branco da cicatriz). - foi isso que entendi. (respondeu o outro). Branco da cicatriz - vamos pedir pra ele repetir? eu ainda tenho duvidas. O outro ria, atrás de mim, com suas mãos cercando meu pescoço. - Repete aqui no meu ouvido. (ele abaixou-se ali na minha frente, girou o pescoço, e apontou com o dedo indicador para o seu ouvido). Vendo que eu fiquei calado, apenas respirando e o observando, ele gritou. - vai porra, fala que eu quero ouvir. Mesmo com medo, eu repeti o que havia falado minutos antes. Eu - eu vou gritar pelos guardas. xxxXXX O sino havia tocado, e era indicio que o primeiro tempo de aula iria começar. - E aí vagabundos. (disse Raul se esbarrando em mim no corredor). - fala putão. Naquele dia eu me sentia tenso. Raul - Fui na tua casa e tu não estava. Eu - dormi na casa do Otávio. Raul - vocês se comeram? (disse ele com um sorriso no canto da boca). O Raul tinha umas piadas um pouco violentas. Otávio - vá tomar no seu cu. (disse Otávio apontando o dedo do meio). Nós rimos e continuamos caminhando até adentrar a sala. xxxxxXXX Branco da cicatriz - então chama, chama pelo guarda. (e mais uma vez ele voltou a apontar a arma branca em minha direção). Eu - vai me matar? (o suor já escorria pelo meu rosto, e eu apenas passava a mão para me livrar). Branco - matar não é castigo pra fila da puta como tu não. Eu - não chama minha mãe de puta. (falei ...
«1234»