1. Por Amor parte 25


    Encontro: 10/06/2017, Categorias: Lésbicas, Lésbicas, Gays / Homossexual, Autor: Ninfa Da Foresta, Fonte: CasadosContos

    Eu- Me conta sobre a Sophia. D- Bem, primeiro eu tenho que contar sobre a Júlia, eu a conheci tem um ano, nós precisávamos de outra pessoa para ajudar no escritório, alguém que entendesse de contabilidade e administração, pois o trabalho estava sobrecarregando eu e meu avó que tem uma acerta idade, colocamos um anúncio no jornal e apareceram os candidatos entre eles e elas estava a Júlia, moça simples, currículo bom recém formada em administração, meu avó resolveu dar uma chance para ela, ela começou a trabalhar conosco e trabalhou muito bem, então um dia estava chovendo horrores e eu ofereci uma carona, ela me passou seu endereço eu disse ao Igor que nos levou até sua casa, e eu a levei até a porta com um guarda- chuva, quando ela abriu a porta, a Sophia correu em sua direção, eu me encantei por aquele menina, ruivinha, de olhos azuis e sardas no rosto, comecei a frequentar sua casa por causa da Sophia, só pela criança mesmo, amanhã você verá como ela é especial. Eu- Você gosta de crianças. A abracei pela cintura repousando minhas mão sem seu abdômen. D- Adoro crianças, nós vamos ter umas quatro. Me assustei ela se virou de frente para mim, e tocou meu rosto. D- Não precisa enfartar, estou de brincadeira com você. Terminamos de lavar a louça, e fomos para o jardim estava frio a Di foi pegar uma manta para nós nos taparmos, sentamos em um balanço e ficamos uma abraçada na outra olhando a lua cheia que estava linda, fiquei com sono e fomos para o quarto, tomei um banho bem ... quente, coloquei uma calcinha branca e minha camiseta, e fui para o quarto, abri a porta do banheiro, estava muito frio, corri para a cama e me cobri com um edredom, a Di estava tirando a roupa para tomar banho, olhei bem e assoviei para ela. D- Para Ninfa, assim você me deixa envergonhada. Eu- Para AMOR eu já vi seu corpo, e provei dele também, e posso dizer ele é uma delícia, não precisa ter vergonha, não de mim. D- Eu sou seu AMOR. Eu- Por enquanto e eternamente. Ela se aproximou da cama, só de cueca box, mordi meu lábio, inalei seu perfume que preenchia o quarto, atirei o edredom longe e puxei a Di para cima de mim, seu corpo quente colou ao meu, seu coração estava acelerado, sua respiração ofegante, colei nossos lábios, invadi sua boca com minha língua, minhas mãos apertavam mais seu corpo contra o meu, nos afastamos, ofegantes pelo beijo. D- Eu tenho que tomar banho. Eu- Tudo bem mais não demora. A Di foi para o banho e eu peguei o edredom, liguei o aquecedor, pois estava muito frio, esperei a Di sair do banho, ela demorou e eu dormi, me acordei com ela deitando do meu lado e me abraçando com suas mão geladas, reclamei e eu me abracei nela, de manhã acordei e ela não estava na cama de novo, peguei meu celular olhei a hora era cedo ainda, esperei, fiz minha higiene, coloquei uma roupa quente, mexi no guarda roupas da Di estava uma confusão um monte de roupa preta junto, não sei como ela se encontrava naquilo, no chão do quarto mais um monte de fios, um amplificador enorme ...
«123»