1. Pós balada animado


    Encontro: 10/06/2017, Categorias: Anal, exibição, Amigos do namorado, sexo grupal, Grupal, Autor: Nem te conto, Fonte: CasadosContos

    Como canta Lulu Santos: Todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite. E naquela sexta, comigo também não era diferente, mas jamais poderia ter imaginado tudo o que aconteceu. No ônibus, a caminho de casa, já estava pensando em qual seria meu traje para a noite. Eduardo e eu estávamos em início de namoro – pouco menos de três meses – e havíamos combinado de irmos para uma balada junto com seus amigos. Mas eu não estava pensando apenas no traje para a balada. Certamente a noite terminaria em algum motel para fecharmos com chave de ouro. Queria ficar provocante na balada e irresistível no motel. Chegando em casa, tomei meu banho com direito a depilação e todo tipo de creme, deixando minha pele bem cheirosa, macia e lisa. Me encarando no espelho, certifiquei que não havia deixado escapar nenhum pelo. Fui ao meu armário e escolhi um lingerie preto, com uma calcinha minúscula enfiada na bunda. Como já havia idealizado no caminho fui direto no vestido preto. O decote dele ressaltava meus seios e era justo o suficiente para destacar minhas pernas e bunda. Me olhei novamente no espelho e confirmei que estava do jeito que imaginei. Por fim me enfeitei com colares, brincos, pulseiras e outros acessórios. No horário combinado Eduardo liga em meu celular, dizendo que está na porta de casa. Peço para ele aguardar alguns minutinhos que estava quase pronta. Ainda faltava a maquiagem. Batom vermelho, lápis nos olhos, sombra e pó. Escolhi meu melhor perfume e dei uma última checagem ... no espelho. Estava provocante! Saí de meu quarto, Eduardo me aguardava no sofá junto com minha mãe. Antes de sair ouvimos as recomendações de meu pai e percebi seu olhar fulminante para mim. Não gostava, mas compreendia que para ele não deveria ser fácil ver a sua “bebê” de 19 anos saindo daquela forma. Já no carro e longe dos olhos de meus pais, Eduardo me beijou, passando a mão em minhas coxas e me encheu de elogios. A noite prometia. Mas como nem tudo é perfeito, o carro mal vira a esquina e acende uma luz no painel sinalizando algum problema. Ao parar no semáforo, o carro simplesmente apaga e não liga mais. Vi minha noite indo pro buraco. Assumo o volante enquanto Eduardo empurra o carro para não atrapalhar o trânsito. _ E agora, amor? – Perguntei desolada, imaginando que ficaríamos aguardando guincho e essas coisas chatas. _ Relaxa, Rafaela. Vou ligar para alguém nos busca aqui. Amanhã eu volto pra buscar o carro. Vamos aproveitar a noite. Entre uma ligação e outra, o que mais estava próximo era Pedro, um amigo de Eduardo. Em meia hora apontou na esquina um Civic branco que ao se aproximar estaciona atrás do Punto de Eduardo. Pedro desceu nos cumprimentou e perdeu alguns minutos tentando ajudar Eduardo a identificar o problema em seu carro. Apenas uma formalidade, pois todos queriam ir pra balada logo. Sentei-me na frente, à pedido de Eduardo para que ele não fosse sacaneado por irem dois homens na frente e uma mulher atrás. Depois do pequeno susto, chegamos no destino e ...
«1234...»