1. Caseira nova na Fazenda (Conto de Empregada Doméstica com Vídeo)


    Encontro: 07/06/2017, Categorias: Traição / Corno, Traição / Corno, Peão de Fazenda, Empregada mulata, Anal, Heterossexual, Autor: Josué da Fazenda (Secret Island), Fonte: CasadosContos

    Num sei si ocêis todos ainda se alembram di mi, ispicialmente us mais novos aqui na Secret Island. Eu sou o Josué da Fazenda, pião da fazenda da Dona Anna Zéfira, prima da Dona Carla Zéfira. A fazenda fica nu interiô da Bahia. . Dona Anna contratô um casár pra trabaiá aqui na fazenda. É um tár di Zé Ruela qui vai sê jardineru i a muié dele, Euzinete, uma mulata de bundão grandi qui virô cunzinhera. Eu já fiquei di olho nela no dia qui chegô, mais u maridão tem cara di brabu, intão eu fiquei na minha. . Cunteci qui ôtro dia eu fui na casa principá da fazenda pra ármuça i a Nete disse qui inda num tava pronto i qui ela ia isperá u maridu vortá da cidade ondi foi comprá mantimentu. Aresorvi intão deitá nu jardim. Depois di uns minutim a Nete apariceu i preguntô: . - Tem nada pra fazê não, Josué ? Vai catá sirviçu. - Já fiz minhas coisa i tô discançando i pensandu qui nessa terra uns tem muintcho como teu maridu i otros tem poquim poquim como eu. - Por que você tem pouco ? Pouco o que ? - Sékisu. Num tenho muié, i tamo afastado da cidade. Eu fico com a peia danada di dura i nem punheta aresórvi. Kiria mehmo era botá a vara numa cona di muié, ô num cuzim. . Ela me olhou e viu que minha piroca tava dura nas cárça e armando um circu, aí ela disse: . - Tá grande é ? Deixa eu vê. - Pera, vô abri as cárça.. Pronto.. Óia aí.. Num dissi ? - Jisus mi chicoteia.. Que pau enooooorme Josué.. Parece pau de jumento. - Pois é.. Inda pur cima sem uso... O do Zé Ruela também é grande assim ? - ... Nãaaao.. É piquininim.. Só faz cosquim.. Posso pegar um pouquim ? - Vai. pega... - Queente... posso beijá ? - Só um tiquim - Ughf.. unf.. ahhhh.. bão dimais... Pode montá ? - Com a xoxota ? - Não.. com a xoxota vô ingravidá.. Posso vistí u cu nele ? - Uh ? Ma cráaaaro... Vem... . Intão ela vistiu meu caralho com o cuzim dela. Qui bundão quente da porra. Entrô tudim, inté as bola. Cavargô quanto quis, mais intão eu disse pra ela: . - Si é pra corneá, vamo fazê direitcho. Um chifre só é compreto si a madame levá no cuzim di quatro i com o chifrador enterrando di galo. - Intão tá. Vou ficá di quatro. . Era tudo qui eu pricisava... Mirei no furo do poço trasero dela i carquei vara. Entrô inté a goela da cunzinhera... Lá nos fundão. U cu dela piscava im vórta do meu pau, e ela inda inventô di metê um braço entre as perna dela i coçá minhas bola. Aí eu disse que assim eu ia gozá munto rápido i pidi pra ela ficá di ladinho pra eu inrabá com mais cárma. Ele ficô mas pidiu qui na hora di gozá ela quiria levá porra na cara i na guela... . Ispirrei na cara dela toda... Ela intão só passô um panim, i quando o corno vortô ela ainda deu um beijin no rosto dele pra ver se ele notava u cheiro di porra nu rosto dela. Ele disse que o cheiro no rosto dela tava gostoso i inté lambeu o rosto da safada. Cabô comendo porra minha, coitado. . Otra hora conto mais.. . Assinadu Josué da Fazenda (Secret Island) Email: modfant@gmail.com . PS: Quem quiser o vídeo deste conto, deixa o email nos comentários ...
«12»