1. VIVENDO NO SUBÚRBIO 2


    Encontro: 04/06/2017, Categorias: Grupal, Masturbação, Exibicionismo, Trem, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Contos Picantes, Fonte: CasadosContos

    Aos sábados, geralmente, viajo para o centro, para o futebol que jogo semanalmente com os amigos, há muitos anos. Nesses dias é bom viajar de trem, porque os vagões estão praticamente vazios, ou pelo menos há bastante espaço para se sentar. Depois da minha primeira experiência sexual com os dois soldados, passei a ficar atento aos homens que freqüentavam aquela linha. Aos sábados era um povo diferente, mais alegre, mais descontraído. Num desses sábados, sentei na área com bancos laterais corridos, bem na ponta, próximo ao corredor de passagem para o outro vagão, onde também ficava o banheiro. Lá estava eu, a caráter, vestindo meu uniforme de futebol: camisa, short branco, meião e tênis, lendo meu jornal, quando três rapazes bem jovens, que haviam embarcado na estação anterior, se sentaram no banco oposto, bem em frente a mim, embora o vagão estivesse praticamente vazio. Cada um dos rapazes olhou para mim rapidamente, mas pareciam interessados nas imagens de um livro que estava na mão do rapaz do meio. Eram bem jovens, assim na faixa de 18 anos, boa musculatura e muito bonitos de aparência. Um bem claro, cabelos escuros encaracolados, o do meio era loiro de cabelo claro liso e o terceiro era moreno claro de cabeça raspada e dois brincos na orelha. Vestiam bermudas da moda, camisetas e bonés com a aba virada para trás. Riam e falavam muito apontando o conteúdo do tal livro. Resolvi mijar e me levantei. Eles fecharam ligeiramente o livro e senti que rolava alguma coisa ... estranha. Torcendo para que houvesse algum lance, como o dos soldados, aproveitei a ida ao banheiro, me encostei num canto, já que o banheiro não tinha porta, tirei a cueca, botei na mochila e recoloquei o short branco. De onde os rapazes estavam sentados, pelo ângulo da diagonal, dava para ver uma boa parte do interior do banheiro. Quando voltei ao meu lugar, pude perceber que eles estavam completamente distraídos com a “leitura” — era uma revista de sacanagem. Os três rapazes tentaram esconder, mas sentiram que eu havia descoberto o lance. Sorri para eles e me aproximei, pedindo prá dar uma olhada, também. Meio sem graça, eles concordaram e viraram o livro, que na verdade servia para esconder duas revistas pornôs, que estavam dentro. Nas duas páginas abertas, uma loura tipo avião chupava a piroca de cara parecido com um artista de cinema; na outra página, o mesmo cara, que tinha uma vara de 30cm pelo menos, comia a xana da loura sensual. — Cara, que mulherão, moleque! Essa loura é de arrepiar — disse, esticando meu corpo e virando a cabeça. Na verdade esperava que eles me convidassem para sentar. E não deu outra. O loiro, de cabelos lisos, que segurava a revista, falou. — Vê aí com a gente, cara! — Ao mesmo tempo, afastou o corpo para o lado e o moreno de cabeça raspada fez o mesmo. Um colado no outro, agora éramos quatro sentados no banco lateral do fundo do vagão. Eu fiquei ao lado do loiro, cujo apelido era Dado. O meu outro vizinho era Jorge, o de cabelo encaracolado, e o da ...
«1234...»