1. Meu Primo Brutamontes cap 1


    Encontro: 25/05/2017, Categorias: Teens, Romace, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: Pe, Fonte: CasadosContos

    - Talvez ele tenha razão - disse o Bruno olhando pra mim. Comecei a rir. - Você só pode estar brincando! - ele continuou me olhando, sério - Bruno, pelo amor de Deus né. - Ele te ama e isso é para o seu bem - Bruno, meu amigo, bebeu um pouco do seu suco. - Meu pai se preocupa a toa - falei - Ele já foi ameaçado várias vezes e nunca aconteceu nada. Meu amigo não respondeu. Carlos, meu pai, era juiz. Por causa disso, ele era ameaçado constantemente. No princípio ele não se preocupava muito, mas depois virou uma obsessão. As ameaças começaram a vir direcionadas a mim, e isso claro, era um problema seríssimo pra ele. Ele queria que eu fosse pra outro Estado (OUTRO ESTADO!). * - Pai, eu não posso deixar meus amigos, minha faculdade! Pelo Sangue de Jesus - falei. Estávamos em casa, na sala. Ele riu. - Filho - ele sentou-se do meu lado, na sala. - Você vai ter que ir - disse ele - Pelo menos até a poeira abaixar. - Mas ... - Belo Horizonte é perto - disse ele. - Eu não posso morar sozinho! Vou ter que comprar um cach... - Você não vai morar sozinho - disse me interrompendo. - Vou morar com quem? - perguntei - Com seu primo. Não respondi de imediato. Tentei pensar em qual dos quinhentos mil primos ele estava falando. - Que primo? - Victor ... - meu pai me olhou confuso - Não se lembra dele? - Deveria? - Gabriel - meu pai acariciou meus cabelos - Filho, eu te amo. Eu preciso que você fique seguro. Por favor filho. Os olhos do meu pai brilhavam. Nós éramos muito parecidos. Muito ... brancos, olhos castanhos e pequenos. A única diferença era a altura. Eu era muito baixo. Puxei minha mãe nisso. Ele me olhava na expectativa de dizer não. Ele sabia que eu era difícil de se lidar. Mas eu o amava. Mais do que tudo. - Por quanto tempo? - perguntei. Ele sorriu aliviado. - Até eu descobrir quem está fazendo isso. * Meu pai e eu estávamos no aeroporto. Meu voo era daqui a pouco. De São Paulo até Belo Horizonte seriam poucas horas. Meu primo Victor, que eu descobri quem era, me encontraria no aeroporto. Aparentemente ele havia aceito minha ida pra lá. Estava na hora do voo e meu pai estava mais nervoso que eu. - Quando chegar lá me avisa ok - assenti - Falei com o Victor que você ia transferir a faculdade pra lá, ele vai te ajudar - assenti novamente - Toma cuidado filho, fica de olho aberto, atento a tu... - Pai - o interrompi - Tá tudo bem. Ele sorriu e assentiu. Me acompanhou até eu ir na sessão de embarque. Nos despedimos e entrei no avião. Minha poltrona era na janela, o que era ótimo. Peguei uma revista que eu tinha comprado um dia antes e comecei a folhear. Pensei na faculdade. Eu fazia curso de Medicina e amava minha antiga faculdade. Infelizmente, ou não, teria que pedir transferência. Ainda folheando a revista, pensei no Victor. Havia entrado no Facebook dele e visto inúmeras fotos em que ele havia sido marcado. Aparentemente todos da faculdade, e todos seus amigos. Ele parecia ser grande. Não sabia explicar o quanto, mas pequeno ele não era. Descobri também ...
«1234»