1. UMA TRANSA INESPERADA PARTE 2


    Encontro: 23/05/2017, Categorias: Heterossexual, lesbicas, Sadomasoquismo, Autor: Kellyfe, Fonte: CasadosContos

    UMA TRANSA INESPERADA PARTE 2 Oi Amores eu sou KELLY, Morena, olhos e kbls castanhos, 28 anos, 1.70al, 68kg, seios fartos, Bumbum e coxas sarados. e sou lésbica. Um belo dia eu ainda estava no trabalho quando meu celular tocou. Era Carla com sua voz meiga e safada disse se ela poderia ir na minha casa naquele dia, então falei que sim, mais só sairia do serviço as 18 horas. Então ela disse pra que eu a esperasse bem gostosa porque aquele dia ela iria me dominar de verdade, nessa hora ate me assustei, mais apenas sorri e desliguei o celular pois ainda tinha trampo pra terminar, mais fiquei muito encabulada com tudo que ela disse e me adiantei no serviço e fui pra casa. Cheguei bem antes das 18 hrs, tomei um banho mais demorado, coloquei apenas um vestido de malha e fiz um lanche rápido transparente e fiquei aguardando a hora de Cah chegar. Vcs já conhecem a Cah mais vou dizer pra quem ainda não leu meu ultimo conto. Ela é uma Mulher que só tem 17 aninhos, com estatura média, Seios e bumbum grandes, coxas saradas. Logo ela chegou, usando um short branco, camiseta regata e um top preto. E ela já me chamando de minha putinha vadia, se eu tinha sentido saudades dela, eu disse que sim e a convidei para entrar, ela então me mandou que fosse para o quarto, eu estranhei ela me dando ordens na minha casa, mais assim mesmo fui. Ela então me ordenou, que tirasse minha roupa, e ela ficou olhando com cara de safada eu me despir completamente. Cah então abriu sua bolsa e pegou uma calcinha ... preta de tecido macio. Era uma calcinha com laços bem finos, tipo fio dental. Ela me entregou aquela calcinha e me mandou vestir, me chamando de putinha safada, sem vergonha e cadela. Eu ainda assustada com seu jeito obedeci e vesti a calcinha, nessa altura meu tesão já estava nas nuvens só de imaginar o que aconteceria depois, só sei que a calcinha ficou ótima em mim, e ela me olhando disse a mesma coisa, e me chamou de putinha safada novamente. E me dando um tapa na minha bunda e me chamou de cadela. E dizia pra eu beija os pés da minha dona. Fiz como ela mandou, beijei seus pés com carinho enquanto ela me xingava e me humilhava, mas sem perder perder seu jeito amável e meigo. Naquela hora eu percebi que isso era um fetiche dela. De repente ela mandou eu parar e ordenou para eu me virar e colocar os cotovelos me apoiando no colchão e ficar com a bunda virada para ela, então ela abriu novamente sua bolsa e pegou uma venda preta e colocou em mim, me deixando cega totalmente e a mercê dela. Ela me xingava com palavrões inimagináveis e dava tapas na minha bunda e disse então que iria me fazer sua mulher e sua vadia depravada. Então puxando minha calcinha de lado, deixou meu cuzinho exposto pra ela que passou o dedo nele e senti algo gelado, que passava no meu cuzinho sedento de sexo, percebi que era um gel lubrificante. Ela foi super cuidadosa e pensou em tudo pra não me machucar com os consolos. Então senti o instrumento do prazer que ela usaria em mim, ela tinha conseguido não ...
«123»