1. CONHECENDO SUAS EXPECTATIVAS


    Encontro: 22/05/2017, Categorias: madura, Traição / Corno, Masturbação, Oral, Sexo Anal, Heterossexual, Autor: O BEM AMADO, Fonte: CasadosContos

    -É meu marido – sussurrou ela como se ele estive próximo de nós – Acho que ele quer saber se tem que pegar as crianças na escola … Houve um minuto ou dois de silêncio absoluto entre nós, até que Tarsila deu uma risadinha olhando para mim ainda por cima do ombro. -Preciso enrolar o Fábio – retomou ela, ainda rindo com um jeito maroto – Vou conversar com ele, está bem? Acenei afirmativamente com a cabeça e Tarsila voltou-se atendendo a ligação. Enquanto ela conversava com ele, eu fiquei apreciando seu traseiro e sentindo meu pau ganhar vida nova; colei meu corpo ao dela, deixando-a sentir o pau pulsando entre suas nádegas. Ao mesmo tempo, mergulhei minha boca em seu pescoço, beijando, mordiscando e lambendo lentamente. Tarsila respirava com alguma dificuldade, mas procurava, por todos os meios, ocultar suas sensações, a fim de não denunciá-las ao seu marido. Prossegui na provocação, deixando a rola imiscuir-se entre suas nádegas, procurando um lugar mais apetitoso. Instintivamente, Tarsila dobrou-se sobre a cama, elevando seu traseiro e deixando sua bocetinha à mostra para mim. Toquei-a com os dedos, sentindo sua umidade quente, e brincando com o clítoris que também já dava sinais de pleno estímulo. Tarsila contorceu-se e me empurrou suavemente, entreabrindo as pernas como um convite para que eu fizesse algo mais. Posicionei-me de modo adequado, e segurando a rola com uma das mãos, avancei contra a vagina de minha parceira, deixando que a pica escorregasse para dentro dela. ... Em seguida, comecei a golpear com movimentos intensos e rápidos, provocando uma onda de espasmos no corpo de Tarsila. Enquanto fodíamos mais uma vez, Tarsila esforçava-se em manter o controle para não denunciar ao seu marido do outro lado da linha que estava sendo fodida por outro macho. Sua respiração estava ofegante, mas, ainda assim, ela tentava demonstrar uma falsa tranquilidade. -Ui! – gemeu ela de repente – Ahn! O que foi? Acho que fui picada …, mas, tudo bem …, já passou. Você deixa que eu …, affffffff …, digo, deixa que eu pego as crianças mais tarde …, está bem …, o que? Não, claro que está tudo bem …, acho que …, shhhhhhhhhhhh …, hã? Nada não! Está bem …, tchau … Ela desligou o telefone e concentrou-se na foda, puxando a nádega com uma das mãos e pedindo para que eu enterrasse ainda mais a pica na sua boceta. -Isso, macho do caralho! – exclamou ela em pleno desatino – Fode a sua vaquinha …, isso, enterra essa rola gostosa dentro de mim …, aquele puto vai ver o que é uma mulher com tesão reprimido …, ele que vá foder com suas amantes …, agora, eu tenho um pau gostoso pra mim! Ampliando as possibilidades, eu me levantei, ficando de joelhos sobre a cama sem tirar a rola de dentro dela e passando a golpear com um vigor renovado. Apoiei-me sobre sua anca e desandei a golpear ainda mais intensamente …, logo, Tarsila estava gozando mais uma vez …, e mais uma …, e mais uma. Depois de algum tempo, tínhamos perdido a conta de quantas vezes Tarsila havia gozado durante aquela ...
«123»