1. Vulcão (2)


    Encontro: 19/05/2017, Categorias: erótico, Atração, pica dura, Filme pornô, inocente, Amigos, Tesão, Gays / Homossexual, Gays / Homossexual, Autor: moleque, Fonte: CasadosContos

    Bom, para chegar até esse dia, tenho que falar como era o nosso dia a dia para conseguir contextualiza-los melhor do que veio a ocorrer. Minha cumplicidade com Ricardo só aumentava, pelo fato dele ser meu primeiro confidente, pois na antiga casa onde morava, não tinha ninguém para confabular minhas experiências com sofreguidão, compartilhar minhas dúvidas tão cruéis (ele nem sabia do que eu falava , mas sempre me escutava e tentava entender, isso para mim era cativante). Aprontávamos muito na rua, geralmente nos encontrávamos à tarde, pois no horário da manhã íamos para a escola. Quando chegava da escola , tomava banho e almoçava, e ficava esperando por ele me chamar, quando ele não ia, eu ia na casa dele, que ficava à umas 15 casas da minha, quando não o encontrava lá, ficava desanimado e cabisbaixo, voltava para casa e fazia todas as tarefas ,e ficava assistindo tv o resto da tarde (sessão da tarde etc) , um coisa extremamente tediosa e deprimente. Mas, quando o encontrava logo íamos andar pela rua, jogava bola de gude, na época das pipas então eu saía torrado do sol cálido, tudo era muito divertido, mas a hora do auge para mim , era no momento em que chegava o finzinho de tarde, quando o céu fica híbrido entre o dia e a noite, pois era nessas horas que nós já estávamos cansados e suados a testosterona púbere era bombeada incessantemente pelo sangue, me sentia quente, com os pensamentos focados em apenas uma coisa, o proibido. Foi num desses fins de tarde que o carinho ... extremo que sentia por Ricardo , vamos se dizer, tomou novos rumos , nesse dia , toda hora eu estava de pau duro, acordei de pau duro , na escola quando fui mijar de novo, quando cheguei em casa, eu estava inquieto, não entendia o porquê. O dia transcorreu normalmente , e no fim de tarde lá estávamos nós sentados num lugar que sempre íamos, era na área de uma escola (extremamente precária) onde ele me levou , no seu estacionamento onde ficavam alguns ônibus , era escondido o lugar , sempre que dava esse horário e estávamos juntos, a gente ia pra lá, sentava e ficava conversando, meu pai do céu , eu me sentia tão bem ao lado dele, respirei fundo e acabei ficando de pau duro de novo, acabei contando para ele minha situação: -Caralho , hoje o dia todo, fiquei de pau duro mano, nem sei mais o que fazer... (sempre fomos abertos um com o outro ) - Eu sei como é pô, tem dia que bato umas 3 punhetas e mesmo assim meu pau endurece as vezes -Fica tranquilo seu puto do caralho, quando eu casar vou dividir minha mulher contigo, porque tu é meu brother, mas só contigo! , (nisso cruzei os braços ao redor do ombro dele) mano posso te perguntar uma coisa ? -Uai, pergunta pô! -Que é punheta ? Ricardo soltou uma risada e me olhou no fundo dos olhos (outra coisa fascinante nele é que ele me olhava sempre nos olhos) , foi nesse momento exatamente aí ,que me vi atraído, nós por alguns segundos ficamos calados, ele ainda rindo, tudo estava em câmera lenta, sabe quando a gente vai desmaiar e tudo ...
«1234»