1. A Cadela


    Encontro: 30/04/2017, Categorias: Sadomasoquismo, Autor: eroticalife, Fonte: ContoEroticoComBr

    Estou deitada, em mais um dia entediante, olhando todos em minha volta concentrados em coisas que julgam ser importantes. Sr. Nilson explica a matéria com tanta empolgação como se excitasse ele, como se ele pudesse sentir prazer falando sobre a cadeia de montanhas da Europa. Eu só conseguia pensar em uma coisa: Nos pensamentos pervertidos que passavam pela cabeça do Sr. Nilson sempre que a Alice se mostrava interessada na sua aula. É óbvio que ela queria mais do que uma simples explicação, que outro motivo levaria alguém a fazer uma pergunta cheia de insinuações sexuais para um professor? Aquela safada queria uma fodinha em troca de nota, como ela fazia com todos os outros professores. – Cadela, vamos ao banheiro do último andar, eu preciso sair dessa sala agora! – Sei bem do que você precisa, Luan. Luan e eu estávamos namorando a 4 meses, mas na verdade pareciam 10 anos pelo nível de intimidade que tínhamos, e não estou falando só de intimidade sexual. O que mais me fascinava nele era o mistério, quando eu achava que havia conseguido desvendar o enigma nos olhos dele, me sentia perdida novamente. Isso é tão excitante. Chegando ao banheiro do último andar, não havia ninguém lá, a intenção era ficarmos sozinhos. Luan logo começou a me beijar e me pressionar para baixo, me fazendo ficar de joelhos. Eu me sentia uma cadela suja, e eu amava isso. Imaginava que eu estava usando uma coleira em meu pescoço com o nome do meu dono. Eu sou o bichinho do meu namorado, sou a cachorra ... do Luan, ele é meu mestre. Em outra ocasião eu sentiria nojo de encostar minhas patas no chão sujo do banheiro, mas quando eu estou com ele só consigo pensar em satisfaze-lo. Sou uma cadela no cio e posso farejar o cheiro doce da ereção do meu dono. Estou esfregando meu focinho no pau duro dele por baixo da cueca, aquele aroma secreto dizia que eu pertenço a ele e só a ele. Eu não gostaria de estar em nenhum outro lugar, aquilo me fazia feliz. Eu estou latindo e balançando o meu rabo para mostrar minha felicidade. Começo lambendo seu pau contra o tecido, posso senti-lo crescendo cada vez mais. Não aguentei esperar e o abocanhei inteiro, ele pulsava dentro da minha boca. Fui apressada e Luan me afastou agressivamente. Ele me jogou tão violentamente no chão sujo do banheiro que eu caí de lado e bati a cabeça na parede. Ele ficou insatisfeito e me advertiu. – Cadela má. Olho para ele com piedade e demonstro arrependimento. Meu dono está com raiva de mim e isso me deixa tão excitada. Logo fiquei de quatro, com a cabeça deitada entre as patas dianteiras e meu rabinho bem empinado no ar. Luan começa a me penetrar violentamente me fazendo gemer de prazer, e tudo é perdoado. Eu sou a cadelinha do meu mestre. Ele está me fodendo a mais ou menos 15 minutos e eu já estou com agua na boca esperando para sentir o jato quente dele dentro de mim. Para mim, gozo sempre foi uma coisa suja e nojenta, só de pensar na palavra eu sentia repulsa, só a ideia daquilo fazia eu me sentir enjoada. Mas ...
«123»