1. CADELA BEM ADESTRADA – AGORA CASADA


    Encontro: 24/04/2017, Categorias: Sadomasoquismo, Autor: domrenatosc, Fonte: ContoEroticoComBr

    Depois de te-la iniciado ela se tornou uma perfeita cadelinha, mesmo depois de casada.Este é mais um relato da escrava que iniciei que se tornou uma excelente cadela. Sou do litoral de SC, dominador a mais ou menos 7/8 anos. Se você gostar do relato e desejar ter sua própria experiência me envie um e-mail domrenatosc@hotmail.com Nunca estive tão ansiosa para ver o dono, a pior coisa para uma cadelinha é ficar longe do dono, ainda mais por tanto tempo, quando o sonho dela na verdade é viver aos seus pés, 24h por dia. Estava ansiosa também porque seria a primeira vez que serviria meu dono depois que casei. Pensei nisso algumas vezes durante o dia. No horario previsto sai do trabalho e fui de encontro ao dono. Na bolsa carregava cordas, chicote e o vestido que estava no dia que me entreguei completamente a ele. Cheguei e me troquei, coloquei uma calcinha pequena como meu dono gosta, somente a calcinha e o vestido. Arrumei as cordas e o chicote e desci para a garagem da suite para esperar o dono. Mas bem na hora em que ele estava chegando… me ajoelhei e aguardei. Ele saiu do carro e minha vontade era pular nele, mas como ele me adestrou bem me comportei. Ele me chamou e fui até ele, me encostei em suas pernas, me esfreguei nela como uma cadelinha buscando a atenção e o carinho do dono. E foi o que ganhei. Foi bom escutar o dono falando que sentiu minha falta. Puxou meu vestido conferindo minha calcinha como de custume. Subiu e me chamou. Fui atras do meu dono. Ja no quarto ele ... foi até a mesinha e puxou a cadeira, retirou o paleto deixando na cadeira e sentou-se. Bateu com a mão em sua perna me chamando. Fui até ele e ganhei mais carinho. Mandou que buscasse o chicote e cordas. Busquei primeiro o chicote e ele me segurou, fez mais carinho, me falou que eu era uma cadelinha perfeita, perguntou se eu lembrava da primeira vez que o servi, que eu não sabia nem como me comportar. Isso é verdade. A cadelinha que sou hoje devo somente a ele. O dono me beijou, perguntou se senti saudades e deixou que o abraçasse, perguntou se eu tinha medo do dono, falei que não. Não tenho medo, tenho respeito. Sou sua propriedade, para ele fazer o que quiser de mim, e confio nele. Me senti muito bem com o dono, bem como a muito tempo não sentia. Mandou que eu retirasse sua camisa. Fiz com cuidado colocando-a no encosto da cadeira. Ele permitiu que o beijasse, eu aproveitei e beijei desde a clavicula até o cós de sua calça, aproveitando para gravar em minha memória a textura de sua pele sob meus labios, assim como seu cheiro que tanto senti falta. Fiquei de joelhos e com as mão para tras das costas, entre as pernas do dono. Ele me açoitou com o chicote. Em meus seios. Provocando uma dor suportavel, que foi me excitando e me deixando cada vez mais molhada. Conferia de vez enquando minha boceta para ver como estava. Quando parou mandou que beijasse seus sapatos, o que fiz de imediato, é um prazer enorme para mim ficar assim aos pés do meu dono. Logo ele permitiu que buscasse a ...
«123»