1. SOU SHEILA, COMO VIM A PERTENCER AO VELHO MANOLO – PARTE II –...


    Encontro: 22/04/2017, Categorias: Sadomasoquismo, Autor: DOM GRISALHO, Fonte: ContoEroticoComBr

    PARTE II – – continuação- Quem desejar ler a primeira parte deste conto, apenas acesse pelos sites de busca, espero que goste… Este relato é sob o ponto de vista de Sheila, uma cadelinha e de sua caminhada em transformar-se em escrava do Sr. Manolo e, que eu, DOM GRISALHO transcrevi para deleite de todos nós… Continuando, ele passou algum tempo deliciando-se e, apertando as minhas tetas e roçando seu pau no meu cu. Eu estava louca, parecia ter um orgasmo preso dentro de mim, a idéia de me sentir dominada pelo Sr. Manolo, deixava-me estremecida. O velho apoiou as suas mãos na minha coxa direita, pouco a pouco foi subindo a minha saia até que ele pudesse sentir pele da minha perna, acariciava-me com bravura, virei e me vi observando seus movimentos debaixo minha saia. O rosto dele era de um homem doentio e perverso, agia como um tarado, seu rosto enrugado demonstrava um prazer mórbido e, eu estava pasma, queria mais, estava adorando. Sr. Manolo de repente pegou na minha saia e levantou-a para as minhas costas, ficou com um sorriso de alegria ao ver minha tanga presa entre as minhas nádegas redondas, instintivamente parei ainda mais o meu rabo, mostrando-o em todo o seu esplendor. – Isso, Sheila mostre-me essa bunda como deve ser, ande logo sua vadia – comentou enquanto me dava uma forte palmada no rabo. Seu comentário chamando-me de vadia, misturado com o som alto da sua palmada, fez-me perceber que não havia mais volta atrás, a minha excitação era demasiada forte não podia ... renunciar. Sr. Manolo tinha-me em suas mãos velhas, cheia de rugas e pareceu-me sujas. Enquanto seguia a admirar a minha bunda, o velho safado pegou nas minhas nádegas e separou-as para apoiar na linha da minha tanga o seu imenso pau (já sentia que era bem maior que de Paulo) bem saliente em suas calças. Quando ele soltou as minhas nádegas senti entre elas as palpitações do seu membro teso e enterrei meu rabo debaixo da sua barriga. Pegou-me pela cintura e apoiou o seu pau fortemente, até consegui ouvir um pequeno gemido dele, enquanto que a mim me saiam com mais evidencia. – Uyyy… Mexe essa bunda Sheila… Mexe-o como os homens gostam de ver – disse. Obedeci e comecei a movê-la lentamente de um lado para outro roçando nas suas calças, como estava gostando, que tesão. Virei por um momento, excitava-me ver o rosto dele, o velho estava na glória e a perversidade da situação tinha-me na glória a mim. As palmadas começaram a soar novamente sentia alguma dor nas minhas nádegas enquanto o velho gozava, a dor fez-me sentir ainda mais abusada, à mercê do ogro com fome de carne humana que me tinha capturado. Sr. Manolo tirou o seu pau de meu rabo, ficou ao meu lado e pôs a mão na parte inferior das minhas costas. Ele começou a acariciar suavemente o meu rabo, ia de nádega em nádega, depois baixava por minhas coxas e, ocasionalmente, acariciava minha virilha por cima da minha tanga. Parei de se mexer o meu rabo, já sentia a falta das palmadas, mas logo reapareceram, e não voltaram sozinhas. ...
«1234...8»